Rádio Observador

Literatura

Agustina Bessa-Luís homenageada na Feira do Livro de Lisboa

Obra da escritora, que morreu na segunda-feira, será lida por vários autores. Editora Relógio d'Água, que preparou a homenagem deste sábado, vai também publicar uma antologia de contos inéditos.

JOAO RELVAS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A escritora Agustina Bessa-Luís, que morreu na segunda-feira, vai ser homenageada este sábado pela sua editora, a Relógio d’Água, na Feira do Livro de Lisboa, com leituras da sua obra por autores como Hélia Correia e Alexandre Andrade.

A vida e obra da autora de “A Sibila” vão ser celebradas na Feira do Livro de Lisboa, na praça da editora Relógio D’Água, pelas 16:30, anunciou a editora, que tem estado a publicar toda a obra da escritora.

Entre os participantes estão Lourença Baldaque (neta de Agustina), Hélia Correia, Maria Filomena Molder, Pedro Mexia, João Miguel Fernandes Jorge, António Barreto e Alexandre Andrade.

Esta homenagem surge numa altura em que a Relógio d’Água se prepara para publicar uma antologia de contos inéditos e a correspondência entre a escritora e o escritor de origem argentina Juan Rodolfo Wilcock.

A Relógio D’Água tudo fará para que a obra de Agustina esteja acessível aos leitores, o que inclui os livros esgotados ou há muito inacessíveis e também inéditos, entre os quais os seus primeiros contos e a correspondência com Juan Rodolfo Wilcock”, anunciou a editora.

“O Sermão do Fogo” será o próximo romance a assegurar a permanência da autora, que praticou os mais diversos géneros literários, tais como romance, conto, crónica, biografias, livros infantis, correspondência, peças de teatro e argumentos cinematográficos.

Esta obra, iniciada no final dos anos 40, rompeu com o neorrealismo e o surrealismo então dominantes, criando algumas das mais marcantes personagens, sobretudo femininas, da literatura portuguesa, como a Sibila e Fanny Owen.

A Relógio D’Água, em colaboração com a família de Agustina, o marido Alberto Luís, entretanto falecido, a filha Mónica Baldaque e a neta Lourença Baldaque, tem reeditado a obra da escritora desde junho de 2017.

A editora dirigida por Francisco Vale afirma que a principal preocupação foi “proceder a uma rigorosa fixação dos textos e solicitar prefácios a escritores que pudessem ajudar a divulgar a obra junto dos leitores de todas as idades”.

Neste contexto, foram publicados “A Sibila” (prefácio de Gonçalo M. Tavares), “Dentes de Rato” (ilustrações de Mónica Baldaque), “Vale Abraão” (prefácio de António Lobo Antunes), “Fanny Owen” (Hélia Correia), “O Mosteiro” (Bruno Vieira Amaral), “Deuses de Barro” (Mónica Baldaque), “A Ronda da Noite” (António Mega Ferreira), bem como “O Manto” (João Miguel Fernandes Jorge).

Foram ainda editados “Os Meninos de Ouro” (com prefácio de Pedro Mexia), “Ternos Guerreiros” (prefaciado pela autora), “Três Mulheres com Máscara de Ferro” (libreto de ópera de Eurico Carrapatoso), “As Estações da Vida” e “As Pessoas Felizes” (António Barreto), “O Susto” (António M. Feijó) e “Party e A Casa — Diálogos” (Agustina Bessa-Luís e António Preto).

Agustina Bessa-Luís morreu na passada segunda-feira, dia 03, no Porto, aos 96 anos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)