Rádio Observador

Monumentos

Em 1984, três amigos percorreram 8 mil quilómetros da Muralha da China. Mudaram mentalidades e lutaram pela preservação do monumento

269

Dong, Wu e Zhang passaram 17 meses a percorrer uma das secções da muralha. Foram registando os estragos e escreveram um livro. A expedição tornou-se numa causa de sensibilização.

A expedição teve início numa das passagens da muralha, em Laolongtou

Dong Yao-hui

Três amigos, 17 meses e 8.850 quilómetros. Esta é a história de Dong Yao-hui, Wu De-yu e Zhang Yuan-hua, que numa manhã de 1984 puseram uma mochila às costas e decidiram percorrer parte da Muralha da China – a pé.

Os “exploradores” focaram-se no percurso de oito mil quilómetros construído há 600 anos durante a Dinastia Ming. E fizeram História. A viagem não só mudou a vida dos três amigos, como também contribuiu para uma maior consideração e preservação da histórica muralha, noticia a CNN.

Dong Yao-hui tinha 25 anos quando se propôs a fazer a viagem. A ideia surgiu quando o então técnico de eletricidade trabalhava em torres perto da muralha e contemplava o monumento. “Fui desenvolvendo um interesse pela Grande Muralha. Pensava quem a teria construído, quando e porquê. Tinha todas estas questões mas na altura não haviam muitos livros sobre isto”, explicou.

O interesse de Dong Yao-hui em conhecer mais sobre o monumento passou a realidade. Depois de dois anos de preparação, iniciou com os dois amigos a travessia. Na altura, calcularam que levariam três anos a completar o percurso – mas fizeram-no em “apenas” 508 dias.

Foi a primeira vez que os humanos caminharam toda a Grande Muralha, deixando as primeiras pegadas. Limitámo-nos a andar e a andar, tomando notas do que íamos vendo”, lembra Dong, hoje com 62 anos.

Dong Yao-hui tem hoje 62 anos e sempre lutou pela preservação da muralha

Os três “exploradores” não seguiram nenhuma mapa. Em vez disso, limitaram-se a percorrer a muralha e foram registando o percurso em papel, assim como observações do estado do monumento. As noites eram passadas nos fortes da muralha.

Depois da travessia, a equipa passou dois anos a escrever um livro chamado “A Expedição da Grande Muralha da China da Dinastia Ming”, onde relataram a experiência. E a “simples” viagem tornou-se em algo muito maior.

“Mal sabíamos nós que a viagem se tornaria no projeto de uma vida”, conta Dong. Os três começaram a alertar para o mau estado da Muralha da China. Cedo perceberam que o seu esforço não tinha sido em vão: as pessoas começaram a atribuir importância à recuperação do monumento.

Pensem só no quão cansativo foi para nós percorrer a Grande Muralha, quanto mais construí-la. Mas continuamos a destruir o monumento. Por isso, a sociedade é hoje mais civilizada? Ou mais idiota?”, lançou Dong Yao-hui.

Em 2014, o chinês fundou então a Sociedade da Grande Muralha. A entidade fez um estudo e mostrou que apenas 8.2% de todo o monumento de cerca de 20 mil quilómetros está em boas condições.

“Nestes 35 anos, o esforço para proteger a Grande Muralha aumentou de forma significativa. Antes, todas as aldeias chinesas estavam a destruir a muralha e isso nem era novidade. Hoje, os media lutam para relatar estes estragos e as pessoas condenam o mau estado de preservação. A consciencialização melhorou muito”, aponta.

O monumento começou a ser construído no século VII a.C

Devido aos seus feitos, Dong é hoje conhecido como “Filho da Grande Muralha” e é visto como uma autoridade. Quando os presidentes norte-americanos George W. Bush e Bill Clinton visitaram o local, o chinês foi designado como guia turístico oficial.

Os trabalhos de preservação e restauro da muralha começaram em 1987 – três anos depois de a expedição dos três amigos ter terminado. Nessa altura, a UNESCO definiu o monumento como Património Mundial. Desde então, a China tem aplicado várias medidas para proteger o local – que todos os anos atrai milhões de turistas.

A Grande Muralha da China começou a ser construída no século VII a.C pelo Estado de Chu, da Dinastia Zhou. Foram precisos mais de 2.500 anos para terminar a construção, que combinou esforços de vários Estados e Dinastias chinesas ao longo da História. A construção terminaria apenas em 1878, com a Dinastia Qing.

O monumento tem uma extensão total de 21,196 quilómetros. Seria preciso caminhar sem parar durante 177.016 dias para percorrer toda a sua extensão.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)