A startup de comida tecnológica Kencko, fundada pelos portugueses Tomás Froes e Ricardo Santos, fechou uma ronda de investimento de 3,4 milhões de dólares (cerca de 3 milhões de euros), anunciou a empresa em comunicado esta quarta-feira. A ronda foi liderada pelas capitais de risco norte-americanas NextView Ventures, Kairos Ventures e Max Ventures, pela britânica LocalGlobe e por executivos da Danone, entre outros investidores. O objetivo é aplicar o dinheiro na produção de materiais mais sustentáveis e na criação de novos sabores.

A Kencko — termo japonês para “saudável” — nasceu em 2018 e é um serviço que disponibiliza um preparado nutritivo, feito com grutas e vegetais 100% orgânicos, sem açúcares adicionados, corantes ou conservantes, para batidos instantâneos. Objetivo: ajudar as pessoas a obter as doses diárias recomendadas de fruta e vegetais e ajudar a combater o desperdício de comida. De momento, a empresa tem disponíveis seis sabores para venda. Cada embalagem de 20 gramas corresponde a 2 porções diárias de frutas e legumes — das 5 que são recomendadas.

A ideia nasceu quando Tomás Froes foi diagnosticado com gastrite aguda e percebeu que a alternativa ao tratamento medicinal era uma dieta composta quase na totalidade (90%) por frutas e vegetais. Isto levou-o a procurar uma forma eficiente e conveniente de transportar frutas e vegetais frescos. “Fiquei emocionado quando descobri que algo tão simples como mudar a minha dieta poderia salvar o meu corpo de muita dor”, explica.

“Tomar a decisão de mudar para uma dieta baseada em plantas foi fácil, no entanto, colocá-lo em prática foi bastante difícil. Queria criar um produto que facilmente me permitisse aumentar a ingestão de frutas e verduras, e a kencko é esse produto. Não estamos apenas a vender frutas e legumes para os nossos clientes, estamos a vender um estilo de vida”, acrescenta.

Os sabores dividem-se por cores, nenhum contém glúten ou substâncias alergénicas e os batidos demoram um minuto a ficar prontos: basta juntar o preparado a água fria ou leite. O cofundador Ricardo Vice Santos, que antes da Kencko teve outra startup, a Roger Talk, acrescenta que se desperdiçam mais de 50% das frutas e vegetais frescos todos os anos. ”

A Kencko é a nossa solução para um problema mundial, que sentimos que vai ter repercussões em muitos outros. O nosso foco na sustentabilidade, bem-estar e causas sociais não é apenas uma tendência, mas o coração e alma da nossa empresa e vidas”, afirma, em comunicado.

Com escritórios e dupla sede em Lisboa e Nova Iorque, os produtos da Kencko compram-se online e a empresa emprega 20 pessoas de momento. Um pack com 20 unidades custa 60 euros.