Rádio Observador

Tecnologia

5G. UE equaciona possíveis restrições mas nega pressões externas dos EUA e China

A Comissão Europeia informou que, após uma avaliação dos riscos na tecnologia 5G feita pelos países da União Europeia, serão equacionadas "possíveis restrições". Bruxelas nega pressões externas.

NEIL HALL/EPA

A Comissão Europeia informou nesta sexta-feira que, após uma avaliação dos riscos na tecnologia de quinta geração (5G) feita pelos países da União Europeia (UE), serão equacionadas “possíveis restrições”, negando porém pressões externas dos Estados Unidos ou da China.

Em causa está a recomendação feita em março passado pelo executivo comunitário aos Estados-membros, prevendo que, aquando da implementação da tecnologia 5G, os países possam excluir empresas deste mercado por razões de segurança nacional.

Para isso, a Comissão Europeia pediu aos Estados-membros para fazerem até junho uma avaliação nacional das infraestruturas da rede 5G, analisando, desde logo, riscos técnicos e associados ao comportamento de fornecedores ou operadores, incluindo os provenientes de países terceiros, isto é, de fora da UE.

Fazendo um ponto de situação sobre esta recomendação, em conferência de imprensa em Bruxelas, o comissário europeu da União da Segurança, Julian King, afirmou que serão equacionadas agora “possíveis restrições” a implementar pelos Estados-membros, assim como novas “obrigações de transparência e monitorização” relativamente às companhias tecnológicas.

Julian King vincou que a UE “está a fazer isto porque é do interesse europeu”.

“Não porque alguém nos pediu ou para atingir alguma empresa em específico”, acrescentou o responsável, aludindo às pressões que têm vindo a ser feitas pelos Estados Unidos para excluir a empresa chinesa Huawei do mercado 5G por alegada espionagem.

Questionado especificamente sobre estas tensões, Julian King insistiu: “Estamos a fazer isto porque temos de fazer, para nós, não por causa de qualquer pressão externa em qualquer direção”.

“Não é novidade que os Estados Unidos têm opiniões fortes sobre este assunto, mas isso faz parte do contexto”, notou, referindo ainda que “há mais tecnologia chinesa implementada na UE do que nos EUA”.

Após esta avaliação dos riscos nacionais remetida já a Bruxelas por 24 Estados-membros – faltando outros quatro -, poderá chegar-se “à conclusão que, em alguns casos, alguns fornecedores ou equipamentos podem não ser seguros”, notou Julian King.

Ainda assim, “não estamos obcecados com a China”, garantiu o responsável, realçando que “o grande debate sobre a Huawei reflete o sucesso que a empresa teve neste mercado”.

Julian King escusou-se, porém, a precisar aos jornalistas quais os países da UE que ainda não acabaram este trabalho de avaliação de riscos nacionais e quais foram as ameaças encontradas nos que já remeteram análises a Bruxelas.

Segue-se agora uma avaliação geral dos riscos na União, até outubro, de forma a encontrar uma abordagem comum às ameaças encontradas.

Até ao final do ano, os Estados-membros devem chegar a acordo sobre medidas de mitigação, que podem passar por questões como requisitos de certificação, testes, monitorização, assim como a identificação de produtos ou fornecedores considerados potencialmente não seguros.

“Queremos pôr a segurança no coração das decisões em relação ao 5G”, assinalou Julian King, reiterando que “na UE existe um quadro legal que permite tomar decisões tendo em vista a cibersegurança”.

O comissário adiantou ser “melhor os europeus atuarem juntos” em relação às ameaças com esta tecnologia, visto estar em causa “uma revolução digital” e não apenas “uma atualização” das redes como aconteceu com as gerações móveis anteriores, o 3G ou o 4G.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)