Morreu a antiga apresentadora e locutora da RTP Isabel Wolmar. Cara histórica da estação pública tinha 86 anos. A notícia foi avançada pelo amigo Júlio Isidro na sua página oficial de Facebook.

Entrou para a RTP em 1961 como locutora e apresentadora de televisão. Pouco depois, tornou-se repórter chegando a apresentar o Telejornal.

Isabel Wolmar foi uma das primeiras locutoras de continuidade da RTP.

Nasceu em Lisboa numa família ligada às artes e ao espetáculo. Formou-se em Línguas e falava 5 idiomas.

Aos 7 anos de idade, estreou-se nas emissões infantis do Rádio Clube Português (RCP). Aos 10 anos, passou para a Emissora Nacional, onde fez emissões infantis e participou em teatro radiofónico.

Com cerca de 20 anos, passou pela Rádio Renascença, onde fez o programa “Tic Tac” e, de regresso ao RCP, fez locução de programas como “A Onda do Optimismo” e escreveu e interpretou folhetins radiofónicos.

Antes de se estrear na televisão, fez teatro, dirigida por nomes sonantes como Carlos Avillez ou Varela Silva.

Com 25 anos de idade, iniciou-se na televisão, na RTP, a fazer teleteatro. Numa entrevista ao programa “Agora Nós”, contou que recusou o convite inicialmente “porque era extremamente tímida”. “Havia até quem confundisse essa timidez com antipatia”, disse. Entre as peças de teleteatro contam-se “O Monstro de Oiro” (1959), “Escreve-me” (1964), com Carlos Cruz, ou “A Sapateira Prodigiosa” (1968), com Amália Rodrigues como protagonista.

[Veja uma entrevista a Herman José]

Com a saída da primeira locutora da RTP, Maria Helena Fialho Gouveia, por volta de 1962, Isabel Wolmar tornou-se locutora. De locutora-apresentadora, passou depois para pivô de telejornal e repórter.

Mais tarde, produziu e realizou vários programas e foi diretora de produção. Colaborou no Jornal de Notícias e em várias revistas. Dedicou-se também à musica, à poesia e à literatura infantil.

No currículo de Isabel Wolmar constam entrevistas a Steven Spielberg, Charles Bronson, Gérard Depardieu, Catherine Deneuve, Isabelle Huppert ou a Isabelle Adjani.