Rádio Observador

Justiça

Franklim Lobo, um dos maiores narcotraficantes portugueses, foi libertado pela juíza

7.034

Franklim Lobo, um dos maiores traficantes de droga portugueses, foi libertado na última segunda-feira pela juíza Ana Peres, do Tribunal Central de Instrução Criminal.

Franklim Lobo é um dos maiores traficantes de droga portugueses

D.R.

Franklim Lobo, um dos maiores traficantes de droga portugueses, foi libertado na última segunda-feira pela juíza Ana Peres, do Tribunal Central de Instrução Criminal, noticia o Público. O narcotraficante tinha sido detido em março em Málaga, no âmbito de um Mandado de Detenção Europeu emitido pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal, e estava em prisão preventiva.

A magistrada entendeu que o perigo de continuar a traficar estupefacientes era moderado, logo insuficiente para o manter em prisão preventiva, e que não haveria perigo de fuga. Ana Peres diz que Franklim Lobo tinha autorização para residir em Espanha e que, mesmo assim, as autoridades o notificaram para a morada portuguesa e que foi por isso que não se tinha apresentado a tempo para ser julgado com os outros arguidos da Operação Aquiles.

No âmbito desta operação foram detidos dois antigos coordenadores da PJ, Carlos Dias Santos e Ricardo Macedo, que trabalhavam na Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes. A Operação Aquiles tem 27 arguidos, visto que os processos de Franklim Pereira Lobo e da arguida Ana Luísa Caeiro foram separados pelos juízes.

Franklim Lobo, de 63 anos, que estava acusado de tráfico de estupefacientes agravado, de associação criminosa e corrupção passiva e ativa, requereu a abertura de instrução. Mas a juíza Ana Peres decidiu que só seria julgado pelo crime de tráfico de droga porque entende que o Ministério Público não conseguiu demonstrar a associação criminosa.

Há 20 anos que Franklim Lobo consegue escapar à justiça

Franklim Pereira Lobo tornou-se famoso depois de ter enganado a Polícia Judiciária, fugindo de um quarto de hotel onde estava a 16 de outubro de 1999 — fuga ficou conhecida como “O Pulo do Lobo”. As autoridades julgavam que estava a ajudar a polícia a encontrar os traficantes de duas toneladas de cocaína. Em 2000 foi condenado à revelia a 25 anos de prisão, mas só em abril de 2004 é que foi encontrado em Espanha, onde levava uma vida de luxo e mantinha negócios no ramo imobiliário. Ainda assim, não ficaria atrás das grades: foi libertado graças a um pedido de habeas corpus e estabeleceu-se no Brasil.

Em 2005, Franklim Pereira Lobo ainda voltou a ser preso. Saiu e voltou aos tribunais em 2007 porque um erro processual obrigou à repetição do julgamento. Sete anos depois de ter sido condenado à pena máxima, acabou absolvido pelo mesmo tribunal, a 1ª Vara Criminal da Boa Hora, dos crimes de associação criminosa e tráfico agravado. Em maio de 2008 foi novamente absolvido na Boa-Hora, num processo de branqueamento de capitais.

O narcotraficante acabaria por ser preso de novo em 2009, por suspeita de tráfico de estupefacientes e associação criminosa. No bolso tinha uma folha com matrículas dos carros da Polícia Judiciária destacados para as investigações de tráfico de droga. Cumprida a pena, foi libertado.

Desde 2016, que a Polícia Judiciária procurava o suspeito, no âmbito da Operação Aquiles, por alegadas ligações entre traficantes de droga portugueses e altos cargos da PJ. Na altura, Franklim Lobo conseguiu fugir para Marrocos antes de ser detido.

Em atualização

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)