Franklim Lobo, um dos maiores traficantes de droga portugueses, foi libertado na última segunda-feira pela juíza Ana Peres, do Tribunal Central de Instrução Criminal, noticia o Público. O narcotraficante tinha sido detido em março em Málaga, no âmbito de um Mandado de Detenção Europeu emitido pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal, e estava em prisão preventiva.

A magistrada entendeu que o perigo de continuar a traficar estupefacientes era moderado, logo insuficiente para o manter em prisão preventiva, e que não haveria perigo de fuga. Ana Peres diz que Franklim Lobo tinha autorização para residir em Espanha e que, mesmo assim, as autoridades o notificaram para a morada portuguesa e que foi por isso que não se tinha apresentado a tempo para ser julgado com os outros arguidos da Operação Aquiles.

No âmbito desta operação foram detidos dois antigos coordenadores da PJ, Carlos Dias Santos e Ricardo Macedo, que trabalhavam na Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes. A Operação Aquiles tem 27 arguidos, visto que os processos de Franklim Pereira Lobo e da arguida Ana Luísa Caeiro foram separados pelos juízes.

Franklim Lobo, de 63 anos, que estava acusado de tráfico de estupefacientes agravado, de associação criminosa e corrupção passiva e ativa, requereu a abertura de instrução. Mas a juíza Ana Peres decidiu que só seria julgado pelo crime de tráfico de droga porque entende que o Ministério Público não conseguiu demonstrar a associação criminosa.

Há 20 anos que Franklim Lobo consegue escapar à justiça

Franklim Pereira Lobo tornou-se famoso depois de ter enganado a Polícia Judiciária, fugindo de um quarto de hotel onde estava a 16 de outubro de 1999 — fuga ficou conhecida como “O Pulo do Lobo”. As autoridades julgavam que estava a ajudar a polícia a encontrar os traficantes de duas toneladas de cocaína. Em 2000 foi condenado à revelia a 25 anos de prisão, mas só em abril de 2004 é que foi encontrado em Espanha, onde levava uma vida de luxo e mantinha negócios no ramo imobiliário. Ainda assim, não ficaria atrás das grades: foi libertado graças a um pedido de habeas corpus e estabeleceu-se no Brasil.

Em 2005, Franklim Pereira Lobo ainda voltou a ser preso. Saiu e voltou aos tribunais em 2007 porque um erro processual obrigou à repetição do julgamento. Sete anos depois de ter sido condenado à pena máxima, acabou absolvido pelo mesmo tribunal, a 1ª Vara Criminal da Boa Hora, dos crimes de associação criminosa e tráfico agravado. Em maio de 2008 foi novamente absolvido na Boa-Hora, num processo de branqueamento de capitais.

O narcotraficante acabaria por ser preso de novo em 2009, por suspeita de tráfico de estupefacientes e associação criminosa. No bolso tinha uma folha com matrículas dos carros da Polícia Judiciária destacados para as investigações de tráfico de droga. Cumprida a pena, foi libertado.

Desde 2016, que a Polícia Judiciária procurava o suspeito, no âmbito da Operação Aquiles, por alegadas ligações entre traficantes de droga portugueses e altos cargos da PJ. Na altura, Franklim Lobo conseguiu fugir para Marrocos antes de ser detido.

Em atualização