Rádio Observador

Fórmula 1

“Vi a última corrida com Michael Schumacher na casa dele”. Jean Todt diz que o piloto continua a recuperar e vê provas de F1

374

Não é novidade, mas torna-se notícia pela repetição. Jean Todt, antigo CEO da Ferrari, voltou a dizer que assiste a corridas de F1 em casa de Schumacher na companhia do piloto, que "está a recuperar".

O piloto alemão sofreu um acidente na neve no final de 2013

Getty Images

A notícia não é a nova e é a sua repetição que se torna relevante. Jean Todt, antigo CEO da Ferrari e uma das pessoas mais próximas de Michael Schumacher quando o alemão era piloto de Fórmula 1, voltou a garantir que o visita frequentemente e que os dois assistem, em conjunto, às corridas da prova rainha do automobilismo. Em entrevista à Radio Monte-Carlo, do Mónaco, o agora presidente da FIA reforçou que Schumacher continua a melhorar, mas fez várias ressalvas para não cair em mal entendidos como já aconteceu anteriormente.

“Tenho sempre muito cuidado quando falo deste assunto, mas é verdade. Vi a última corrida com Michael Schumacher na casa dele, na Suíça. O Michael está nas melhores mãos e cuidam muito bem dele. Não desiste e continua a lutar”, afirmou Todt, que em janeiro, por altura do 50.º aniversário do alemão, já tinha revelado que assistia a etapas de Fórmula 1 em conjunto com Schumacher e que ainda assistiria a “muitas mais”, o que levou a comunicação social a escrever que o piloto estaria já consciente e com a capacidade de reconhecer pessoas. Desta vez, para não motivar essas assunções, Jean Todt sublinhou que a comunicação com Schumacher “não é a mesma”, o que deixou perceber que as melhorias do piloto são ainda limitadas.

“A família continua a lutar como no início, mas claro que a nossa amizade não pode ser a mesma. Simplesmente porque a comunicação que temos agora não é a que tínhamos. Ele continua a lutar. Afinal, só pensamentos positivos é que o ajudam. Eu e a família dele temos de nos manter positivos psicologicamente, apesar das circunstâncias”, acrescentou o francês, cujas novas declarações vão ao encontro das de Bernie Ecclestone, antigo CEO do Formula One Group. “Ele não está connosco neste momento. Mas, quando melhorar, vai responder a todas as perguntas”, disse Ecclestone em “Schumacher”, o documentário sobre o piloto alemão que foi estreado em Cannes e cujo trailer já está disponível.

De recordar que Michael Schumacher sofreu um acidente na neve em dezembro de 2013 e não voltou a ser visto em público. O alemão, heptacampeão mundial de Fórmula 1 e considerado um dos melhores de sempre na modalidade, permaneceu internado e em coma durante cerca de seis meses, até ser transferido para uma clínica de reabilitação. No final de 2014 e depois de um enorme investimento para transformar a mansão suíça numa quase clínica privada, a mulher Corinna e a restante família do alemão conseguiram levá-lo para casa e garantir todos os cuidados de saúde e de recuperação diários e constantes para que o piloto continue a melhorar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)