Rádio Observador

Cancro

Equipa de portugueses e israelitas desenvolve vacina para ajudar a combater o cancro

1.875

Começou por ser uma vacina que só ensinasse o sistema imunitário a reconhecer o cancro, mas depois, quando passou a incluir outras terapias, tornou-se mais eficaz.

Helena Florindo e João Conniot, da Universidade de Lisboa, e Ronit Satchi-Fainaro e Anna Scomparin, da Universidade de Tel Aviv

Uma equipa de investigadores em Portugal (Universidade de Lisboa) e Israel (Universidade de Tel Aviv) desenvolveu uma vacina contra o cancro que combina várias terapias diferentes aumentando a eficácia global do tratamento. Por enquanto ainda só foi testada em melanoma (cancro da pele) de rato, mas os investigadores já submeteram um pedido de patente provisória para o tipo de vacina desenvolvido e estão a preparar a criação de uma spin-off. Os resultados foram publicados esta segunda-feira na revista científica Nature Nanotechnology.

Tudo começou em 2012 ou 2013, conta Helena Florindo, a investigadora responsável na Universidade de Lisboa. Na altura, o foco era desenvolver uma vacina que conseguisse ajudar o sistema imunitário a reconhecer as células tumorais para que, assim, as pudesse combater mais facilmente. E conseguiram bons resultados, mas também perceberam que havia uma parte da resposta do organismo que ainda lhes era desconhecida.

Vimos que a vacina tinha, já nessa altura, um efeito importante. Mas também percebemos que conhecíamos pouco ao nível do sistema imunológico, principalmente o que é que resulta da interação destas vacinas com as diferentes células do sistema imunológico”, diz Helena Florindo, coordenadora do grupo BioNanoSciences, do Instituto de Investigação do Medicamento, sobre o trabalho de doutoramento da investigadora Joana Silva, feito nessa altura.

A vacina tem no seu interior pequenas esferas de um polímero. Dentro das esferas estão porções de proteínas específicas das células tumorais que se pretendem atacar. O objetivo é que as células dendríticas (glóbulos brancos do sistema imunitário) encontrem estas nanopartículas e as “engulam”. E para as pequenas esferas serem ainda mais apetecíveis, estão revestidas por um açúcar (manose).

Se as células dendríticas “engolirem” as nanopartículas passam a apresentar as pequenas porções de proteínas tumorais à superfície (na membrana) como bandeirolas que outras células do sistema imunitário conseguem ver. Quando as células T (outro tipo de glóbulos brancos) encontra as “bandeirolas” das células dendríticas, aprende que deve atacar células que têm essas mesmas porções de proteína. Assim, as células T aprendem que células tumorais devem atacar. Vantagem ainda maior é quando se formam células T memória, uma espécie de células sábias, que guardam a informação para quando for preciso combater um invasor semelhante.

A esperança de Helena Florindo, por exemplo, é que estas células T memória — e, consequentemente, as vacinas que as estimularam — possam servir de prevenção para a reincidência do cancro ou para a formação de metástases. Isto porque, se tudo correr bem, o sistema imunitário já tem a informação que deve combater as células que têm aquele tipo de proteínas à superfície. Só os ensaios clínicos podem dizer se também pode ser útil para tratar o cancro numa fase inicial.

Fomos um bocadinho atrás. Fomos tentar perceber e caracterizar a interação das vacinas com cada uma das fases da ativação desta resposta imunológica”, conta Helena Florindo. E o que verificaram é que as vacinas eram eficazes em todos as fases da ativação da resposta desejada.

As vacinas foram testadas em melanoma (cancro da pele) em ratos — com células tumorais de rato e com o sistema imunitário do rato ativo. A parceria com a Universidade de Tel Aviv surge da necessidade de testar a vacina com um tipo de melanoma diferente, mais agressivo, para verificar se era possível obter os mesmos resultados. E foi. Esse trabalho foi iniciado em 2015 e decorreu ao longo de três anos. Os resultados foram agora publicados, mas o percurso não foi assim tão linear.

Neste período, equipas independentes desenvolveram outros tratamentos de imunoterapia com o objetivo de combater as células tumorais ou de inibir umas células tumorais específicas que funcionavam como travão do sistema imunitário — alguns destes medicamentos já estão a ser usados nos doentes. Apesar de representarem um grande avanço no tratamento de alguns tipos de tumor, estas terapias continuavam a mostrar algumas limitações. A combinação da vacina com as imunoterapias existentes é que permitiu os bons resultados alcançados pela equipa.

Conseguimos perceber o que estava impedir a eficácia das terapias que já existiam, e da própria vacina, e ao inibirmos essas células conseguimos ter uma resposta muito mais prolongada e uma eficácia muito maior. Isso só acontece quando os três componentes estão juntos [com a vacina]”, diz Helena Florindo.

No futuro, a equipa pretende criar uma spin-off, que possa criar a vacina a uma escala industrial para aumentar o número de ensaios tanto em laboratório, como, depois, em humanos. A ideia é voltar a testar este tipo de modelos de rato (que têm células tumorais e sistema imunitário de rato), mas depois testar com ratos humanizados (ratos com células tumorais humanas e com um sistema imunitário humano).

A equipa da Universidade de Tel Aviv, por sua vez, está a testar com células tumorais humanas num mini-cancro fora do organismo, mas é muito mais difícil testar uma vacina nestas condições. Sem falar que um mini-cancro numa experiência não responde da mesma forma que um cancro inserido num organismo. “Isso não nos dá uma resposta total, de tudo o que temos no sistema imunológico, a relação entre os diferentes mecanismos e a ligação entre eles”, explica Helena Florindo.

Questionada sobre quando poderia ter uma vacina deste tipo disponível para os doentes, Helena Florindo aponta cinco a 10 anos. Se tudo correr bem. Isto é, a vacina tem de passar várias fases nos ensaios clínicos com humanos: tem de mostrar-se segura — por exemplo, a resposta imunitária não pode ser tal que ataque outras células —, tem de se mostrar eficaz a tratar a doença e ainda que é uma boa alternativa enquanto tratamento.

Os resultados até agora mostraram o potencial no tratamento do melanoma. A equipa de Helena Florindo está a estudar o mesmo método com cancro da mama, cancro colorretal e cancro do pâncreas.

Atualizado às 17h30 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)