A administração da Transtejo e Soflusa informou nesta segunda-feira que os tanques de combustível das empresas apenas asseguram o transporte fluvial por cinco dias, mas dispõe de um plano de contingência caso a greve dos motoristas se concretize.

Numa resposta escrita enviada à agência Lusa, a administração das duas empresas esclareceu que “tem mantido os seus tanques totalmente abastecidos”, cuja capacidade garante a prestação do serviço de transporte fluvial no Tejo “durante cerca de cinco dias úteis”.

Ainda assim, os passageiros não devem sair prejudicados porque a Transtejo e Soflusa garantem que “têm preparado um plano de contingência”, que será ativado se a greve dos motoristas de matérias perigosas se efetuar, a partir de dia 12.

A administração não revelou, no entanto, se o abastecimento será efetuado por via marítima, como aconteceu na última paralisação destes profissionais, iniciada em 15 de abril.

Nessa ocasião, a greve causou a falta de combustível em vários postos de abastecimento em todo o país e os tanques da Transtejo e Soflusa acabaram mesmo por esgotar, levando a administração a acionar o plano de contingência para assegurar a normalidade do serviço.

A Transtejo assegura as ligações fluviais entre o Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão, em Almada (distrito de Setúbal), a Lisboa, enquanto a Soflusa é responsável por fazer a ligação entre o Barreiro e Lisboa.

O Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e o Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) convocaram uma greve por tempo indeterminado, a partir de dia 12, que ameaça o abastecimento de combustíveis e de outras mercadorias.