Rádio Observador

Ártico

Encontradas partículas de microplásticos pela primeira vez no Ártico

A descoberta da expedição, financiada pela National Science Foundation, dos Estados Unidos e pela Heising-Simons Foundation, está vertida num artigo publicado na revista Science Advances.

MICHAEL STUDINGER / NASA / HANDOUT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A contaminação com microplásticos estendeu-se a toda a Terra e pela primeira vez foram encontradas partículas concentradas em amostras de gelo da Passagem do Noroeste, no Ártico Canadiano, foi hoje divulgado.

Uma expedição científica realizada entre 18 de julho e 04 de agosto encontrou, pela primeira vez, partículas de plásticos nas amostras recolhidas em perfurações.

A descoberta da expedição, financiada pela National Science Foundation, dos Estados Unidos e pela Heising-Simons Foundation, está vertida num artigo publicado na revista Science Advances e confirma a presença de microplásticos em oceanos, água potável, animais e regiões de todo o mundo.

O grupo, liderado pelas pesquisadoras da URI Alessandra D’Angelo e Jacob Strock, perfurou o bloco de gelo em 18 pontos perto da Resolute, a comunidade mais setentrional do Canadá, e assim analisou o plâncton, micronutrientes do oceano que são uma das bases da cadeia alimentar da região.

Após analises de microscópio ao conteúdo de cinco das 18 colunas de gelo produzidas com as perfurações, até dois metros e contendo gelo acumulado em anos diferentes, a equipa descobriu micropartículas de plástico, algumas de até um milímetro de tamanho, relatou.

D’Angelo e Strock explicaram à Efe que o gelo age como um filtro natural: a água do oceano circula pelos poros de gelo e o plâncton acumula-se nos seus cristais.

Mas da mesma forma que retém o plâncton, o gelo filtra e acumula pequenas partículas de plástico que os investigadores acreditam estarem a ser transportadas pelas correntes marítimas do Atlântico e do Pacífico para as regiões árticas.

D’Angelo acrescentou que toda a vida animal na região está a consumir plásticos, de peixes a aves marinhas e a animais maiores, como mamíferos marinhos.

O que a equipa de pesquisadores também desconfia é que, embora as amostras de gelo sejam provenientes apenas da Passagem do Noroeste, perfurações semelhantes em outras regiões do Ártico encontrarão uma presença similar de microplásticos no gelo.

Cientistas do Centro de Pesquisas Polares e Marinhas do Instituto Alfred Wegener (AWI), em Bremenhaven, na Alemanha, e colegas na Suíça, relataram também hoje num artigo publicado na revista Science a descoberta de indícios de que a atmosfera transporta grandes quantidades de microplásticos.

Partículas de plástico que são então depositadas na superfície da terra quando neva ou chove, acrescentaram.

A equipa liderada por Melanie Bergmann e Gunnar Gerdts realizou análises de amostras de neve de Heligoland, Baviera, Bremen, Alpes Suíços e Ártico e confirmou que a neve em todos esses locais contém altas concentrações de microplásticos.

A pesquisa de cientistas da AWI encontrou a maior concentração de microplásticos perto de uma estrada rural na Bavária, com 154.000 partículas por litro. Na neve do Ártico, os especialistas encontraram 14 mil partículas por litro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)