Rádio Observador

O Que Está a Dar

E se andássemos com as sandálias dos nossos pais? Ups, já andamos

São leves, práticas, descontraídas e, até há bem pouco tempo, uma peça evitada a todo o custo. A moda trocou-nos as voltas e as "dad sandals" então entre as peças da estação.

Não é preciso recuar muito para chegar a uma época em que estas sandálias eram capazes de suscitar o mais genuíno dos sentimentos de repulsa. Escusado será dizer que negar uma peça de roupa ou acessório, desconhecendo o que as tendências futuras nos reservam, nunca é boa ideia. É o caso das dad sandals, sem tirar nem pôr. As sandálias de pai, traduzindo à letra, foram, anos a fio, uma ferramenta de ridicularização de turistas de meia idade. Entretanto, a moda do quotidiano seguiu o seu curso, uma marcha contínua rumo à “desportização”. Depois dos ugly sneakers, desproporcionalmente grandes e garridos, o sistema precisou de um novo patinho feio.

Imagem de street style, nas ruas de Berlim, em abril deste ano © Christian Vierig/Getty Images

O primeiro grande grito de liberdade dos nossos pés foi bem lá atrás, no final da década de 1960. Há que reconhecer que a pegada da cultura hippie no guarda-roupa dura até hoje. Entre sandálias e chinelos ao estilo Birkenstock, os pés ao fresco viraram tendência global. Mas estas sandálias, como hoje as conhecemos, nasceram em 1984, pelas mãos de um guia do rio Colorado, no Grand Canyon. O pioneiro não fez nada mais do que juntar uma velha bracelete de velcro a uns chinelos de enfiar no dedo. Os exploradores da natureza agradeceram o conforto e o engenho deu origem à marca Teva, ainda hoje responsável pelos modelos mais clássicos.

A colaboração de Anna Sui com a Teva © Teva

À medida que estas sandálias foram regressando ao topo das tendências, a mesma marca tornou-se uma parceria apetecível para outras marcas e designers. É o caso de Anna Sui que, na coleção deste verão, redesenhou o modelo clássico, deu-lhe novas cores e acrescentou-lhe uns bons centímetros com a ajuda de uma plataforma. A marca Outdoor Voices pintou as Teva com cores vibrantes, enquanto a Opening Ceremony imprimiu a sua estética minimalista nas sandálias. Sem parcerias, mas na base da inspiração, a moda chegou às passerelles. Sacai, Off-White, Prada, Chanel, Dries Van Noten — certos criadores optaram por assumir a simplicidade daquelas que são conhecidas como dad sandals. Outros exageraram-nas, ao estilo dos ugly sneakers que marcaram as temporadas anteriores. Gucci, Marc Jacobs, Rick Owens e Chloé apostaram em modelos todo-o-terreno.

Imagem dos desfile de Rick Owens, verão 2019 © Getty Images

Conjugá-las não obedece a regras rígidas, pelo contrário. Falamos de athleisure em dias quentes, por isso, das calças de fato de treino ao mais romântico dos vestidos, estas sandálias são “a peça” deste verão, além de uma bela forma de pôr em prática aquela descontração própria do guarda-roupa estival. Com calças de ganga, leggings, micro calções. A opção meias é válida e Anna Sui até deixa algumas sugestões de styling. De repente, a combinação já não é assim tão horrível. É aproveitar, enquanto a moda não volta a fazer das dad sandals uma peça non grata. É certo que irá acontecer.

Escolhemos alguns exemplares das sandálias do momentos. Minimais ou robustas, criadas por designers ou ao alcance dos pequenos orçamentos, veja a nossa seleção na fotogaleria.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)