Rádio Observador

Brexit

Boris ameaça conservadores rebeldes: se votarem com oposição, serão expulsos do partido

398

Primeiro-ministro faz ultimato a tories rebeldes. Se desobedecerem, governo perde maioria e pode haver eleições. Marcação de conselho de ministros para a tarde desta segunda reforça esses rumores.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson

PA Images via Getty Images

O plano foi desenhado à hora de almoço, em frente a um prato de borrego com especiarias e vegetais com caril. À mesa da residência de Chequers, este domingo, estavam o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, o seu conselheiro e antigo estratega de campanha pela saída da UE, Dominic Cummings, e cerca de uma dezena de whips, os funcionários do Governo que têm como objetivo assegurar a disciplina de voto na Câmara dos Comuns. A fazer fé no Daily Telegraph, foi ali que estes intervenientes fizeram um plano para expulsar do partido qualquer deputado tory que venha a aliar-se ao líder da oposição, Jeremy Corbyn, nesta semana decisiva para Reino Unido no Parlamento britânico.

Boris Johnson e a sua equipa decidiram apresentar a todos os deputados do Partido Conservador um ultimato: se apoiarem Corbyn para tentar impedir um Brexit sem acordo no Parlamento, serão expulsos do partido e impedidos de se recandidatar pelos seus círculos eleitorais nas próximas eleições.

A medida, como explica o Guardian, é especialmente arriscada porque pode traduzir-se numa perda efetiva da maioria parlamentar para o Governo. Ou seja, se os deputados ignorarem a ordem de Boris e arriscarem a expulsão, o Executivo — que atualmente tem apenas um deputado de diferença a assegurar a maioria nos Comuns — fica sem uma maioria efetiva na Câmara, já que todos os deputados rebeldes deixarão de estar abrangidos pela disciplina de voto dos tories. Se tal acontecer, a probabilidade de o país ir a eleições antecipadas torna-se mais elevada do que nunca.

Uma fonte do gabinete dos whips justificou assim a vários jornais britânicos a decisão do Governo: “Os whips estão a passar aos deputados conservadores uma mensagem muito simples: se não votarem com o Governo na terça-feira, irão destruir a posição negocial do Governo e a entregar o controlo do Parlamento a Jeremy Corbyn”, disse essa fonte.

Qualquer deputado conservador que faça isto irá ter a orientação de voto retirada e não poderá voltar a concorrer como candidato dos conservadores a uma eleição”, anunciou uma fonte próxima do Governo.

A medida poderá incluir uma série de deputados destacados e até ex-ministros de Theresa May: é o caso do ex-ministro das Finanças Phillip Hammond, do ex-ministro da Justiça David Gauke, e do ex-número dois do Governo David Lidington. A decisão para estes pesos-pesados do partido é por isso séria: como explica o editor de política do The Sun, James Forsyth, se votarem com a oposição “passarão a ser impedidos de se recandidatar pelo partido, pondo por isso fim às suas carreiras como deputados conservadores”. É por isso, crê o jornalista, que alguns estarão “relutantes” em fazê-lo.

Do lado destes deputados, contudo, surgem sinais em sentido contrário: “Isto é pura hipocrisia. Quase um quarto do Governo atual já furou a disciplina de voto”, disse uma fonte próxima ao Telegraph e ao Guardian. “Mas isto é uma questão de interesse nacional e já ultrapassámos o ponto em que as ameaças levam as pessoas a abandonar os seus princípios.”

O ex-ministro David Gauke também invocou o interesse nacional numa entrevista à Sky News, dizendo que os deputados têm de perceber se isso ou os seus interesses pessoais são mais importantes. À BBC, acusou Boris Johnson de estar a levar a cabo uma “purga” e de estar a tentar “transformar o Partido Conservador na direção do Partido do Brexit” de Nigel Farage.

Ao todo, o número de deputados tories rebeldes pode chegar aos 21. Esta semana, quando o Parlamento se reunir e Corbyn apresentar a sua proposta legislativa para travar um Brexit sem acordo, ficará claro quantos desses deputados cederam à ameaça do Governo e quantos decidiram desafiar as suas ordens.

À medida que a data prevista para o Brexit de 31 de outubro se aproxima — e com os deputados a trabalharem em contra-relógio após a suspensão do Parlamento ordenada pela Rainha, a pedido do primeiro-ministro —, as posições extremam-se. Laura Kuenssberg, editora de política da BBC, explica assim este plano de Boris: “Fazer aumentar a pressão nos rebeldes tories no início desta semana crucial pode criar um grupo conveniente de papões que podem ser atirados borda fora do partido e ser culpados.”

Mas o risco que o primeiro-ministro corre, ao colocar ainda mais em causa a sua maioria, também pode indiciar que está a considerar convocar eleições antecipadas, como especulam vários especialistas. “Um primeiro-ministro pronto para abdicar da sua minúscula maioria também parece ser um primeiro-ministro pronto para convocar eleições, se for preciso”, resume a editora da BBC.

Estes rumores de eleições antecipadas ganharam esta segunda-feira mais força depois de Johnson ter convocado um conselho de ministros para as 17h.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)