Rádio Observador

Celebridades

28 anos depois da icónica capa da Vanity Fair, Demi Moore volta a posar nua para revista

Em vésperas de lançar as suas memórias, a atriz de 56 anos "revela tudo" na capa de outubro da edição americana da Harper's Bazaar, fazendo recordar um momento saído dos anos 90.

Dave Benett/Getty Images

Aborda a sua “infância disfuncional”, os “amores passados”, a forma como teve que lidar com os vícios ou ainda amizades como a que mantém com a também atriz Lena Dunham, que aqui fica encarregue de conduzir a conversa, mas são as imagens que saltam à vista antes de mergulharmos nos principais destaques da entrevista. Aos 56 anos, Demi Moore despe-se para a capa do número de outubro da edição americana da revista Harper’s Bazaar para voltar a provar que a idade não passa de um número como outro qualquer.

Moore é fotografada por Mariano Vivanco para uma produção de moda assinada por Miguel Enamorado. E se na primeira página usa apenas um vistoso chapéu cor-de-rosa e uma pulseira, no interior da publicação, vemo-la em diferentes registos, como por exemplo com um vestido preto Dior, conjugado com sapatos Sérgio Rossi e joias Cartier. Quanto aos subtítulos, ou palavras de ordem, da capa, parecem deixar igualmente pouco à imaginação. “Fique melhor nua”, “Tenha uma cara à prova de futuro” ou “Tire anos ao seu pescoço” são algumas das máximas que talvez não fiquem tão bem na fotografia dos tempos que correm.

Nas suas redes sociais, a revista divulgou ainda um breve vídeo promocional onde a atriz, agora mais vestida, dá vida a um vaporoso vestido rosa choque. Tempo ainda para a ver deslumbrar num Givenchy ou num look Chanel.

“Como mulher, como mãe e como mulher, há certos valores e votos que mantenho como sagrados, e é baseada neste espírito que escolhi seguir em frente com a minha vida”, é uma das frases destacadas por Demi Moore, mãe de Rumer Willis, Tallulah Willis, e Scout Willis, fruto da sua relação com Bruce Willis, e que manteve uma relação com o também ator Ashton Kutcher entre 2005 e 2013.

Há mais a descobrir sobre Moore, que admite ter deixando a infância quando salvou a mãe de uma overdose, que adora bonecas, ou como conseguiu a sobriedade aos 20 anos, como a perdeu aos 40 e como recuperou o equilíbrio aos 50.

Foi em agosto de 1991 que Moore protagonizou uma das imagens mais emblemáticas, e que inspiraria tantas outras do género, quando surgiu nua e grávida na capa da Vanity Fair, então fotografada por Annie Leibovitz. Um momento que certamente não será esquecido no livro que chegará aos escaparates ainda este mês. Uns anos mais tarde, voltaria a dispensar a roupa em “Striptease”, o filme dirigido por Andrew Bergman.

Está previsto para 24 de setembro o lançamento de “Inside Out“, o livro onde Demi, que apesar dos rumores sempre negou o recurso a cirurgias estéticas, resume o seu caminho, do anonimato ao estrelato, com altos e baixos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Maternidade

Como dói um sonho quando morre /premium

Eduardo Sá

Arrasta-se para o carro. Chora, finalmente. Grita. Geme. Não acredita que nada daquilo esteja a acontecer. E confronta-se com o absurdo de ter um útero a servir de urna quando, antes, ele era só o céu

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)