Rádio Observador

The Beatles

O áudio que revela que os Beatles queriam gravar mais um álbum antes de se separarem

Lennon, McCartney e Harrison reuniram-se dias antes do lançamento de Abbey Road para discutir um novo álbum e o lançamento de um single, contrariando antigas teorias. Ringo Starr estava no hospital.

Lançamento de Abbey Road já foi há 50 anos

Redferns

A 8 de setembro de 1969, há 50 anos, Ringo Starr estava no hospital para fazer exames por causa de um desconforto gastrointestinal. Enquanto isso, John Lennon, Paul McCartney e George Harrison reuniam-se para discutir a produção de um novo álbum. Pelo menos é isto que o especialista em Beatles, Mark Lewinsohn, prova através de uma gravação que revelou agora ao mundo, em entrevista ao The Guardian.

“Ringo, já que não podes estar aqui, isto é para que possas ouvir aquilo que estamos a dizer”, inicia a voz de John Lennon na gravação. A partir desta deixa, um dos grupos musicais mais reconhecidos na história — senão o maior de todos — começa a debater a possibilidade de produzir um novo álbum, além de um single para lançamento na altura do Natal.

Os livros sempre disseram que eles sabiam que Abbey Road seria o último álbum, e que eles queriam sair numa altura de pico da fama. Mas não — eles estavam a discutir o próximo álbum. Então achávamos que o John era o único que queria separá-los, mas quando ouvimos isto [a gravação], não é. Isto então não reescreve basicamente tudo o que pensávamos que sabíamos?”, sugere Lewinsohn ao jornal britânico.

Lennon prossegue, na gravação, sugerindo que todos tragam músicas candidatas para um single, além de propor uma nova estratégia para a composição do álbum seguinte: quatro músicas de Paul, quatro de George, quatro do próprio Lennon e mais duas de Ringo, “se ele quiser”. John fala sobre o “mito Lennon-McCartney”, indicando claramente que a autoria de suas canções, até agora apresentada ao público como uma parceria sacrossanta, fosse finalmente creditada individualmente.

Beatles: George Harrison, Paul McCartney, Ringo Starr e John Lennon.

McCartney diz, então, num tom jocoso: “achava, até este álbum, que as músicas do George não eram tão boas assim”. O compositor das músicas “Taxman” e “While My Guitar Gently Weeps”, responde que “é uma questão de gosto”.”Até agora as pessoas gostaram das minhas músicas”, ouve-se.

Nesse momento, John demonstra interesse em entregar músicas a cantores externos à banda, como Mary Hopkin, uma cantora galesa de folk, já que ninguém mais do grupo havia “curtido” (da expressão inglesa, “dig”) “Maxwell’s Silver Hammer”, ao que Paul prontamente responde: “gravei porque gostei”.

A gravação demonstra também uma certa tensão entre os integrantes do grupo, e dá novos indícios sobre quais seriam os reais motivos para o fim da banda, o que será parte de um novo espetáculo teatral criado por Lewinsohn, que também aborda a criação de Abbey Road, último álbum da mítica banda britânica.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)