As operações usando a plataforma MBWay aumentaram cerca de 35% entre o final de 2018 e agosto de 2019, um aumento total que diz respeito tanto às operações de pagamento (uso da app para pagar em lojas, por exemplo) como, também, nas transferências entre contas bancárias. Os dados fornecidos ao Observador por fonte oficial da SIBS — a gestora da rede Multibanco, que criou o MBWay — parecem indicar que não está a ter um impacto significativo a decisão de vários bancos de passar a cobrar comissões pelas transferências conta-conta, embora o crescimento da base de utilizadores possa ajudar a mitigar esse impacto.

A SIBS não esclarece, contudo, se o que está a suportar o crescimento das transferências MBWay é a utilização da própria app criada pela SIBS ou as apps dos vários bancos que incorporaram nas próprias aplicações móveis a plataforma MBWay. Tendencialmente, os bancos cobram uma comissão menor quando é utilizada a aplicação do próprio banco — mas os utilizadores jovens e aqueles que têm contas-pacote (com serviços oferecidos a troco de uma subscrição paga mensalmente) não pagam qualquer comissão, quer usem a app do banco ou a app da SIBS.

A base de utilizadores do MBWay continua a crescer, atingindo nesta altura os 1,8 milhões de utilizadores (a barreira do milhão foi superada há menos de um ano). Esses 1,8 milhões de utilizadores fazem, em média, mais de cinco milhões de transações por mês, diz a SIBS.

“O serviço tem consolidado os níveis de crescimento, rondando crescimentos que rondam 13% ao mês”, indica fonte oficial da SIBS, acrescentando que, em comparação com o período homólogo, a utilização do MBWay tem registado “crescimentos mensais em torno dos 10%”.

Esta é uma “dinâmica enorme”, considerou a presidente da SIBS, Madalena Cascais Tomé, em entrevista publicada esta segunda-feira pelo Jornal de Negócios. Uma entrevista em que a responsável procurou “clarificar” que “a cobrança por parte de alguns bancos está restrita ao tema das transferências”. “E o serviço MBWay é muito mais abrangente do que apenas as transferências”, sublinha, defendendo que as compras são a principal componente, não as transferências.

Basta ver que se calhar compramos três ou quatro vezes por dia e se calhar fazemos uma transferência dia sim, dia não, ou uma transferência por semana. Portanto, as compras são aquilo que é o principal uso do MBWay, para além da utilização do multibanco, dos levantamentos”, diz Madalena Cascais Tomé.

A presidente da SIBS disse ao Jornal de Negócios que, “hoje em dia, temos mais de 70% da rede de terminais de multibanco habilitada para poder usar MBWay e, portanto, cada vez mais o serviço vai ser a substituição do verde, código, verde que tínhamos nos terminais”.