Tudo começou com um vídeo partilhado no Twitter pela atriz britânica Jameela Jamil, no último fim de semana. As imagens mostravam o desfile da marca Gold Caviar Crew, durante a Semana da Moda de Viena, onde manequins ocuparam a passerelle com danças coreografadas, um cenário muito diferente do habitual. “Ó meu deus. Este parece ser o desfile mais divertido e sem uma única adolescente assustada e esfomeada. Lindo”, escreveu, no mesmo dia que, numa outra partilha, aproveitou para se apresentar como ex-agente de modelos.

A partilha não passaria despercebida a Sara Sampaio que, na última quarta-feira, reagiu. “E que tal celebrar alguém sem diminuir os outros? Chamar ‘adolescentes assustadas e esfomeadas’ às modelos é extremamente ofensivo. Vindo de alguém que defende uma atitude positiva perante o corpo soa só a hipocrisia”, escreveu Sara na mesma rede social. A resposta da modelo viria a desencadear uma troca de acusações entre ambas.

Jameela, de 33 anos, acabou por responder fazendo a troca de argumentos sobre a aparência e a saúde das jovens manequins subir de tom. “Eu não falei em todas as modelos no meu tweet, por isso tenta acalmar-te”, retorquiu, reconhecendo, ao mesmo tempo, que uma “vasta maioria” de raparigas se privam de comer e usam drogas, incluindo cocaína, para controlar o peso. “Se não vês isso, então estás numa bolha”, concluiu, dirigindo-se à modelo portuguesa.

No mesmo dia, Sara ripostou. “Não me conheces para me estares a dizer que não consigo ver além da minha bolha. Começamos logo por aí. Sei mais sobre a minha indústria do que tu. Também sei o mal que esta generalização causa em muitas miúdas que, na realidade, são saudáveis e sempre foram magras”, escreveu. Numa outra publicação, o anjo da Victoria’s Secret esclareceu que em momento nenhum havia negado a existência do problema na indústria da moda, acusando Jameela de distorcer as suas afirmações. Pelo meio, a modelo portuguesa de 28 anos acrescentou mais comentários. “Sobre ser modelo, posso falar com mais certeza do que tu. É claro que acontece, mas não é, seguramente, uma vasta maioria”, concluiu.

Jameela Jamil, a atriz, ativista e animadora de rádio britânica que, com Sara Sampaio, protagonizou uma troca de acusações no Twitter © Getty Images

Mas o terceiro round não tardou. Conhecida como atriz e animadora de rádio, mas também como ativista e feminista, Jameela Jamil voltou a alimentar a discussão. “Acho que estás a usar a tua plataforma para defender algo preocupante e negativo para estas raparigas. Para mim, isso é claro. Arranja uma causa melhor, porque esta não é boa. Podes fazer mais do que isto, és esperta. Ajuda as raparigas, não normalizes isto”, adicionou a britânica.

“Com todo o respeito, neste momento, parece que estou a falar de maçãs e que tu falas sobre peras! Acho que fui bastante clara no que quis dizer” — foi a resposta de Sara Sampaio.

Antes de terminar, a troca de acusações acabou por chegar à Victoria’s Secret. “E ainda tens orgulho em trabalhar para uma empresa que é transfóbica e gordofóbica. A Victoria’s Secret é uma marca que exclui a maioria das mulheres, por isso, devias preocupar-te com isso antes de vires policiar-me por chamar a atenção de uma indústria que faz tanto mal a miúdas tão novas”, escreveu Jameela.

Por fim, Sara Sampaio anunciou a retirada. “É a última coisa que vou dizer. O teu constante tom condescendente é simplesmente desnecessário e faz com que seja impossível ter uma conversa. Espero que tenhas uma boa vida. Desejo-te tudo de bom”, concluiu, mas não sei antes ficar com uma última alegação da atriz britânica.

“Não estou a ser condescendente contigo, Sara. Estou a ser muito direta. Não entendeste um tweet que 35.000 pessoas interpretaram corretamente e transformaste-o numa briga centrada nos teus sentidos e não num problema que, ambas sabemos, prevalece nesta indústria”, reiterou Jameela Jamil. Durante a troca de galhardetes entre as duas, foram milhares as respostas e comentários de outros utilizadores do Twitter, uns tomando o partido da ativista britânica, outros defendendo Sara Sampaio do “ataque”.