O Natal está à porta e se para a maioria este é um período de paz e amizade, para a Volkswagen é a ocasião ideal para partilhar um teaser de um novo modelo, impresso no cartão de Natal que enviou para amigos e parceiros. Esta começa a ser uma “tradição” para o grupo alemão, uma vez que já em 2018 o cartão natalício da VW colocava o Pai Natal ao volante de um veículo que revelava as formas do ID. Buggy, que depois viria a oficializar.

Este ano, com mais uma época festiva, chegou mais um cartão, onde o Pai Natal acelera rumo às chaminés aos comandos de um ID. Logo, um veículo eléctrico com algumas semelhanças com o ID.3, mas substancialmente mais pequeno. O que faz recordar uma entrevista à Autocar pelo COO do construtor alemão, Ralf Brandstätter, em que este avançava com a necessidade de conceber um ID mais pequeno do que o ID.3, destinado prioritariamente ao trânsito citadino, que internamente é chamado ID. Entry.

Este pequeno eléctrico utilizará a plataforma MEB, à semelhança dos restantes ID, mas com um comprimento de apenas 3,8 metros, um valor que o coloca entre os 3,60 m do e-up! e os 4,05 m do Polo. Contudo, com uma frente muito curta, uma vez que não há necessidade de alojar um motor de combustão e a volumosa caixa de velocidades transversalmente à frente, o futuro ID. Entry poderá oferecer um comprimento de habitáculo ao nível de um Golf (4,25 m), um pouco à semelhança do que aconteceu com o ID.3 (4,26 m), que com o comprimento de um Golf se aproxima do espaço interior de um Passat (4,77 m).

Além de curto, para se sentir mais à vontade no trânsito citadino, o mais pequeno dos ID vai montar uma bateria mais pequena do que o ID.3, uma vez que o objectivo será garantir 240 km de autonomia, o que aponta para uma capacidade máxima de 30 kWh. Isto reduzirá o peso e o preço, fundamental tanto mais que o objectivo é propor o ID. Entry por um valor muito competitivo, provavelmente não muito longe do renovado (e com bateria maior) e-up!, que será comercializado por cerca de 20.000€. Está previsto apenas para 2022, provavelmente para poder usufruir já de baterias com maior densidade energética e mais baratas.