— Alguém tem carregador de iPhone?
— Este dá?
— Não, esse é dos Samsung e Huawei.

Muito provavelmente, a situação fictícia descrita acima já pode ter acontecido consigo. Enquanto vários fabricantes de smartphones utilizam cada vez mais o USB-C como entrada para carregar o telemóvel (antes era o micro-USB), a Apple continua a ter uma entrada própria para os iPhone, o “lighting” — e é a única no mercado que o faz. Na semana passada, o Parlamento Europeu trouxe de novo a questão para exigir um padrão igual a todos os equipamentos. Resposta da Apple: “Sufoca a inovação”, como conta a Reuters.

Acreditamos que a legislação que força a conformidade em todo o tipo de conectores incorporados em todos os smartphones sufoca a inovação, em vez de incentivá-la, e isso prejudicaria os consumidores na Europa e a economia como um todo”, diz a Apple.

A vontade de, pelos menos na União Europeia, os equipamentos móveis terem a mesma entrada para poderem ser carregados já é antiga. Quando a Nokia era a empresa dominante no mercado, na década de 2000, o comum era cada fabricante ter o seu tipo de carregador. Foi em 2007 que o padrão do Micro USB surgiu e os telemóveis começaram a, lentamente, ter mais ou menos o menos carregador. Contudo, os iPhone sempre tiveram as próprias entradas.

Uma legislação europeia que exija um só tipo de carregador vai provavelmente prejudicar a curto prazo a Apple, tendo em conta que outros fabricantes de smartphones já utilizam um padrão e seria esse o aplicado. Contudo, segundo os legisladores no Parlamento Europeu, a medida vai reduzir o “lixo eletrónico”.

A Apple, em resposta, diz o contrário e afirma que a medida só cria mais “lixo eletrónico” por deixar obsoletos os cabos já existentes. No entanto, o principal foco da crítica da empresa criada por Steve Jobs, e liderada atualmente por Tim Cook, a esta medida é a “restrição” que criaria à “inovação na indústria”.

Os computadores portáteis mais recentes da Apple já estão adaptados para utilizar as entradas USB-C , cada vez mais o padrão na indústria. Apesar de os últimos modelos iPhone continuarem a usar a entrada lighting, a Apple afirmou ainda ao mesmo meio que não é necessária regulação externa porque a indústria já está a caminhar nesse sentido.