Título: Uma Solidão Demasiado Ruidosa
Autor: Bohumil Hrabal
Editora: Antígona
Ano da Edição: setembro de 2019
Páginas: 144
Preço: 15€

A tradução, feita a partir do checo por Ludmila Dismanová, foi revista para a nova edição da Antígona

Há trinta e cinco anos que trabalho com papel velho, e esta é a minha love story.”

É com esta frase que começa Uma Solidão Demasiado Ruidosa, a história e confissão de Haňta, um homem cujo trabalho é destruir com uma prensa hidráulica, numa cave escura e suja de Praga, os livros mais preciosos. Tal como todas as histórias de amor (ou, pelo menos, como todas aquelas que nos ficaram na memória), a de Haňta tem tanto de trágica como de bela — a dedicação que tem ao seu trabalho é proporcionalmente correspondente ao amor que tem às obras que prensa. É esse amor que o transforma em muito mais do que um simples trabalhador braçal e o eleva ao patamar dos autores que admira e tenta salvar.

Escrito por Bohumil Hrabal, considerado um dos mais importantes escritores checos do século XX, em meados dos anos 70, este pequeno romance foi um dos muitos que o autor teve de publicar na clandestinidade. Hrabal, que nasceu em 1914, assistiu à ocupação nazi e comunista do seu país. Depois da invasão da Checoslováquia, em 1968, os seus livros foram apreendidos e proibidos, obrigando-o a tornar-se num escritor clandestino. Foi nestas circunstâncias que Uma Solidão Demasiado Ruidosa, reeditado em Portugal em setembro de 2019 pela Antígona, com tradução revista, foi publicado em 1976. O romance só foi oficialmente editado em 1989.

Tendo em conta as circunstâncias em que foi escrito, é fácil encontrar em Uma Solidão Demasiado Ruidosa uma alegoria da censura literária. Admitindo que o é, o romance é também muito mais do que isso — é uma love letter à literatura, ao conhecimento e à necessidade de estes serem preservados, mesmo que para isso seja preciso recorrer à ilegalidade. É isso que Haňta faz. Na sua cave, coexiste o ciclo completo da existência — os livros que não deviam existir ganham uma nova vida nas suas mãos, nas mãos de quem os ama, e que, em nome desse grande amor, os recolhe, esconde ou contrabandeia.

Mas alguns desses livros têm também de morrer, e essa é a tragédia da história de Haňta que, para manter o seu trabalho, não os pode salvar a todos. As palavras dos que morrem ficam-lhe gravadas na cabeça e Haňta imagina os seus autores sentados ao seu lado na cave escura, infestada de moscas e ratos, de Praga. É quando a imaginação de Haňta corre livremente, que Uma Solidão Demasiado Ruidosa entra definitivamente no domínio do surreal (embora todo o romance seja forte em imagens surreais). Esta ténue linha que divide o real do imaginário é contrabalançada pela linguagem dura e crua de Hradal (na edição da Antígona, a tradução foi feita a partir do checo). Não existem floreados, paninhos quentes. O sujo é mesmo sujo, a porcaria existe mesmo.

Enquanto conta a sua história — partindo sempre da mesma frase, “Há trinta e cinco anos que trabalho com papel velho”, uma espécie de mantra — Haňta vai desvendando um pouco da sua vida além da cave onde trabalha. Ficamos a saber que vive em Praga, que bebe demasiada cerveja e que em tempos teve o amor de uma mulher cigana que se perdeu. Existem algumas memórias dos tempos de juventude que o perseguem, mas são vagas em comparação com a realidade da prensa hidráulica, a que parece resumir-se toda a sua existência de eremita.

Até que, um dia, Haňta se torna obsoleto, ultrapassado por uma prensa mais eficaz operada por jovens que nunca bebem cerveja, apenas leite, pelo progresso e por uma nova ordem social que permite uma destruição mais rápida e eficaz dos volumes. A sua vida perde o sentido. Poderá haver vida sem literatura? Para Haňta, a resposta é óbvia, e esconde-se nas entranhas da máquina que, durante 35 anos, operou. Durante esse tempo, homem e máquina fundiram-se — agora também Haňta vive nas páginas de um livro.