Ganhou cinco Campeonatos, três Taças de Portugal e outras tantas Supertaças. Conquistou aquilo que na altura se pensava irreal, a Taça dos Clubes Campeões Europeus numa final contra o poderoso Bayern. E a isso somou ainda mais uma Supertaça Europeia e uma Taça Intercontinental. Tudo em 451 jogos onde conseguiu marcar mais de 350 golos (isto como sénior porque somando camadas jovens o número mais do que duplica). No entanto, quando se pensa em Fernando Gomes e FC Porto, a primeira imagem que vem quase de forma inconsciente é a do Bibota. Fernando Gomes, o Bibota. Fernando Gomes, o maior goleador das ligas europeias em 1983 e 1985.

Ao longo de 13 temporadas, partidas apenas ao meio com uma passagem pela Liga espanhola onde representou o Sp. Gijón entre 1980 e 1982, Fernando Gomes, que viria a terminar a carreira com mais duas épocas no Sporting, tornou-se um dos principais símbolos do FC Porto e do futebol português, algo que ainda hoje sente não só nas representações que faz como diretor das relações internacionais dos dragões como no clube. E é isso que faz com que o antigo avançado de 63 anos se sinta grato por todo o apoio recebido numa fase mais difícil da vida.

“O Sérgio [Conceição] é mais novo (45 anos), foi um jogador do FC Porto que eu costumava ver, deu muitas alegrias e foi um dos jogadores importantes na história do clube. Como adepto habituei-me a vê-lo, conheço-o há 15 anos ou mais. Antes de chegar ao FC Porto já conversava com ele, agora converso mais. Tem sido uma das pessoas que tem estado atenta ao meu problema [de foro oncológico], tem-me apoiado. Quero agradecer-lhe, a ele, ao presidente, à administração, ao clube… Se já estava grato antes, estou mais grato agora. Não sei como é que vou pagar o que me têm apoiado”, referiu numa conversa transmitida nas várias plataformas do FC Porto e que contou com uma mensagem especial do atual treinador, Sérgio Conceição.

O Bibota recordou ainda os tempos da Seleção Nacional falando do atual capitão, Cristiano Ronaldo, ao mesmo tempo que deixou uma mensagem de confiança e esperança para o FC Porto.

“Ninguém consegue superar o Ronaldo. Julgava que ninguém conseguiria alcançar o Eusébio mas o Ronaldo é um avançado que admiro”, referiu. “Queria que o FC Porto [no futuro] continuasse unido, a pensar todos em conjunto, sem questões individuais, a pensar o amanhã de forma serena e tranquila para continuar na senda dos títulos e vitórias, estando imbuídos do mesmo espírito. Os portistas têm de ter voz porque o FC Porto é um clube democrático, mas temos de falar das coisas importantes dentro do clube”, destacou o antigo avançado dos azuis e brancos que considera ainda que o clube nada lhe deve: “Eu é que devo ao clube”.