Uma equipa de investigadores australianos diz ter matado o novo coronavírus em 24 horas através de um medicamento antiparasitário chamado Ivermectin, normalmente utilizado no tratamento dos piolhos e da oncocercose (a “cegueira dos rios”) – e uma empresa farmacêutica portuguesa, a Hovione, produz grandes quantidades desse medicamento em Macau. Mas as autoridades australianas já emitiram um aviso à população para não se auto-medicar caso seja infetada pelo novo coronavírus, enquanto não se estuda melhor a eficácia do medicamente e a dosagem recomendável.

Num estudo publicado na Antiviral Research, os cientistas afirmam ter eliminado toda a informação genética do SARS-CoV-2 em 48h e ter diminuído consideravelmente a carga viral no organismo nas primeiras 24h. O Ivermectin é um medicamento comum que, em estudos laboratoriais, já pareceu ser eficaz contra o vírus do zika ou do dengue in vitro. Apesar de ter resultados em doentes da COVID-19 na Austrália, são precisos ensaios clínicos para se compreender a sua real eficácia contra a infeção provocada pelo novo coronavírus.

Citado pela Rádio Renascença, Marco Gil, diretor comercial da marca, diz receber esta notícia com cautela. “Neste momento, têm de ser feitos estudos de fase três – já em pacientes – e terá de descobrir-se a dose terapêutica, para se apurar se, de facto, essa dose está dentro dos limites de toxicidade com que pode ser usado este produto”, mas reconhece que o facto de se conhecer a molécula há décadas “acelera o processo”. O responsável aponta para daqui a “cerca de seis a nove meses” o resultado de uma eventual eficácia do Ivermectin no combate ao novo coronavírus.

O medicamento, que está disponível em comprimidos, loção e champô, também costuma ser usado para matar piolhos, por exemplo. A ministra da Saúde da Austrália, Jenny Mikakos, aplaudiu o trabalho dos cientistas mas alertou que as pessoas não devem tomar a decisão, por si próprias, de se auto-medicar.

“Não há qualquer razão para comprar tratamento para os piolhos a menos que o faça para tratar uma infeção por piolhos no cabelo dos vossos filhos”, afirmou, lembrando que há vários relatos a nível mundial de pessoas que ouviram falar em terapias milagrosas e as ingeriram sem supervisão, o que causou ainda mais problemas em alguns casos – até, mesmo, a morte de algumas dessas pessoas. “É fatal engolir este champô. Vamos acabar com pessoas no hospital se isso acontecer”, alertou.