Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Entre os nomeados para o International Booker Prize, há um livro escrito em alemão. O seu autor, Daniel Kehlmann, ficou conhecido em 2006, quando o seu quarto romance, Die Vermessung der Welt, foi traduzido para inglês. Measuring the World é uma recriação das vidas de duas figuras importantes do Iluminismo alemão — o naturalista e explorador Alexander von Humboldt e o matemático e físico Carl Friedrich Gauss — que, no final do século XVIII, tentaram medir o mundo. O novo romance de Kehlmann, publicado em 2017 na Alemanha e este ano no Reino Unido pela editora Riverrun, também se baseia em factos e figuras históricas, mas a sua personagem principal é tão escorregadia que a verdade é constantemente tocada pela magia.

Tyll é a história de Tyll Ulenspiegel, uma figura que fez a sua primeira aparição literária num folheto impresso no século XVI em Estrasburgo, mas que terá origens no folclore germânico. Segundo este folheto, Tyll teria nascido em Kneitlingen, perto de Brunsvique, por volta do ano 1300. Uma espécie de mendigo, durante a sua vida, viajou pelo Sacro Império Romano-Germânico e também por Itália, pregando partidas. Terá morrido em Mölln, perto de Hamburgo, onde hoje existe uma estátua em sua honra, de Peste Negra, em 1350.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.