O adversário não era o mais fácil, o golo inaugural dificilmente poderia ser mais simples. Numa ação de ataque organizado do Schalke 04 pelo lado direito, Kostic ganhou um lance dividido à segunda e lançou em profundidade Kamada descaído no lado esquerdo em velocidade, o japonês fez a assistência de primeira para o corredor central, André Silva só teve de receber, ajeitar e encostar para o lado direito de Nüber. Apesar da irregularidade exibicional ao longo da temporada que impediu o Eintracht de discutir outros lugares mais cimeiros da classificação, a equipa de Frankfurt voltou a mostrar como sabe jogar futebol e o português voltou a destacar-se na finalização.

Já depois de um lance onde Da Costa poderia ter assistido o avançado na área para o desvio final e de uma jogada individual de Kamada que terminou com um remate às malhas laterais, o Eintracht foi aproveitando da melhor forma a entrada tardia em campo do Schalke 04 e passou para a frente ainda antes da meia hora inicial, com André Silva a provar mais uma vez o porquê de ser o grande destaque da Bundesliga desde a retoma: em oito jogos, leva sete golos, num total de 11 apenas na liga alemã e 15 no total de toda a temporada de 2019/20 naquele que acaba por ser o melhor Bilhete de Identidade do antigo avançado do FC Porto desde a retoma.

Antes do triunfo frente ao Schalke 04 esta quarta-feira, o internacional português marcou na derrota do Eintracht frente ao B. Mönchengladbach (3-1), no empate diante do Friburgo (3-3) e nos triunfos fora contra Wolfsburgo (2-1), Werder Bremen (3-0) e Hertha Berlim (4-1), neste último caso com dois golos e uma assistência para o antigo jogador do Sporting Bas Dost tendo saído do banco ao intervalo quando a equipa estava em desvantagem. Sendo substituído aos 81 minutos pelo holandês, André Silva tem a média de um golo por cada 83 minutos.

André Silva, o melhor marcador da retoma: mais dois golos (um de calcanhar), uma assistência para Dost e a goleada

No segundo tempo, David Abraham aumentou a vantagem para os visitados na sequência de um livre lateral na direita apontado de forma tensa ao segundo poste por Kostic (50′) e o máximo que o Schalke 04 conseguiu foi reduzir a desvantagem a cerca de meia hora do final, por Weston McKennie (59′), entre várias oportunidades flagrantes que ambas as equipas foram falhando, incluindo uma em que Abraham salvou em cima da linha de golo, antes da expulsão de Can Bozdogan que acabou por limitar a formação de Gelsenkirchen (77′).