A organização do EDP Cool Jazz anunciou esta quinta-feira mais três nomes para o cartaz da edição de 2021 do festival: Jorge Ben Jor, Neneh Cherry e Kokoroko. O trio tinha atuação confirmada na edição de este ano, que teve de ser adiada devido à pandemia do novo coronavírus.

Anteriormente, já tinha sido anunciado que também Herbie Hancock e Yann Tiersen, outros artistas com concertos marcados em 2020, iam marcar presença e atuar na edição de 2021. O cartaz da edição do próximo ano começa assim a compor-se, faltando ainda revelar alguns nomes.

Do leque de três confirmações novas do festival de verão que decorre, anualmente e ao longo de vários dias, no Hipódromo Manuel Possolo, em Cascais, o grande destaque é inevitavelmente Jorge Ben Jor. Com 75 anos, o músico, compositor e cantor carioca é um dos artistas maiores da música brasileira, tendo quase 60 anos de carreira e mais de 30 álbuns editados, entre discos de estúdio (27) e gravações ao vivo.

Autor de discos como Samba Esquema Novo (o seu primeiro álbum, editado em 1963), A Tábua da Esmeralda (1974), África Brasil (1976), A Banda do Zé Pretinho (1978) e Bem-vinda Amizade (1981), Jorge Ben Jor ficou ainda conhecido por canções como “Mas Que Nada” — posteriormente adaptada por Sergio Mendes —, “Que Pena”, “Taj Mahal”, “Chove Chuva”, “Fio Maravilha”, “País Tropical” e “Take It Easy My Brother Charles”. Em 2019, o músico atuou no festival portuense NOS Primavera Sound.

Além de Jorge Ben Jor, a organização aposta também em adiar a atuação da cantora e compositora sueca Neneh Cherry, que estava anunciada para 2020. Depois de aparecer no final dos anos 1980 e início dos anos 1990 com grande notoriedade, a artista sueca voltou aos álbuns a solo em 2014, 18 anos depois do disco anterior. Nos últimos anos tem encetado uma parceria produtiva com o produtor de música eletrónica Four Tet, que produziu não apenas o já referido álbum de regresso de Cherry às edições (Blank Project) mas também o sucessor, Broken Politics, de 2018.

Neneh Cherry em 2019, no festival NOS Primavera Sound (@ JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR)

Com menos passado mas estando cotados como promessas da música afrobeat e funk britânica, os Kokoroko são a outra aposta do EDP Cool Jazz anunciada esta quinta-feira. O grupo, liderado pela trompetista Sheila Maurice-Grey (filha de emigrantes oriundos da Serra Leoa e da Guiné Bissau), explora a relação entre o jazz e funk e os ritmos africanos e assume-se devedor de influências como Fela Kuti e Tony Allen.

Sem nenhum álbum no currículo, mas com um mini-álbum homónimo editado em 2019 e ligação à reputada editora britânica Brownswood Recordings, dirigida pelo radialista, DJ e curador musical Gilles Peterson, os Kokoroko já atuaram uma vez em Portugal, no Festival Músicas do Mundo em Sines (FMMS), em 2019.