Dos 1.600 residentes da freguesia de Deveselu que acorreram às urnas este domingo para as eleições autárquicas na Roménia, 66% votaram em Íon Aliman, atual presidente da junta, para continuar no cargo para o terceiro mandato. Mas após a publicação dos resultados, que garantiram a reeleição do autarca do Partido Social Democrata (PSD) pela terceira vez, os apoiantes foram celebrar para o cemitério.

É que Íon Aliman morreu dez dias antes das eleições, a 17 de setembro, vítima de Covid-19, no Hospital Colentina, em Bucareste. Era demasiado tarde para retirar o nome do autarca dos boletins de voto, por isso a população de Deveselu decidiu aproveitar para lhe prestar uma última homenagem: a maioria absoluta, precisamente no dia em que o presidente da Junta celebraria 57 anos.

As celebrações ao lado da campa de Íon Aliman foram gravadas e partilhadas nas redes sociais. Enquanto colocavam velas acesas e ramos de flores junto à lápide do autarca, os apoiantes diziam: “Esta é a nossa vitória”, traduz a Associated Press. E prometiam: “Vamos deixá-lo orgulhoso. Sabemos que, algures lá de cima, vai estar a olhar por nós”.

Noutra cidade romena, Sadova, o presidente da Câmara morreu poucas horas depois de ter sido eleito com 45% dos votos. Eugen Safta sofreu um ataque cardíaco. A equipa médica, que tinha sido chamada pela família assim que o político começou a exibir os primeiros sintomas de mal-estar, tentou reanimá-lo, mas sem sucesso, relata o Romania Insider.

Não é a primeira vez que algo assim acontece na Roménia. Em 2008, na cidade de Voinesti, o presidente da junta Neculai Ivascu, no cargo havia duas décadas, morreu pouco depois de as votações terem arrancado, vítima de uma doença no fígado. Tinha 57 anos. Mesmo depois de saberem da morte de Ivascu, os residentes continuaram a votar nele e reelegeram-no, com uma margem de 23 votos em relação ao oponente, Gheorghe Dobrescu. À época, a Comissão Eleitoral entregou o cargo a Gheorghe Dobrescu, apesar dos protestos da oposição.

Agora, segundo o Digi24, um jornal digital romeno, o Conselho Local Eleitoral vai apontar um vice-presidente do partido eleito, que permanecerá em funções até à data das novas eleições.  Mas, segundo a população de Deveselu, será difícil encontrar um político à altura. “Nunca se vai encontrar um presidente como ele”, afirmou uma mulher ouvida pela comunicação social romena: “Ele era um verdadeiro presidente para nós. Ficava do lado da aldeia, respeitava todas as leis”.