Se o segundo dia de Web Summit levou a equipa do Observador no evento a ansiar pelo regresso da robô Sophia, que se tornou numa presença assídua nas edições anteriores, a manhã do último dia compensou a saudade por ciborgues com uma presença inusitada: o guru da meditação Deepak Chopra, mas numa versão digital, ou seja, um avatar alimentado com inteligência artificial.

A versão em carne e osso de Deepak Chopra, que é uma referência na área da meditação e espiritualidade, chegou a entrar em linha para explicar ao que vinha: ensinar o público a tirar cerca de 20 minutos todos os dias, onde quer que estivessem, a gerir o stress do quotidiano. Tudo o que veio depois, no entanto, foi o mais tecnológico (e inusitado) possível: a sessão de meditação foi totalmente conduzida por um “gémeo digital” de Chopra.

A expressão foi utilizada pelo próprio médico, mas só pode ser adotada se falarmos de gémeos dizigóticos, daqueles cuja informação genética não é bem igual e, portanto, são fisicamente diferentes. É que o avatar de Deepak Chopra era pouco articulado, muito sintético e, para algumas dos membros do público, que utilizaram o chat da página para comentar a experiência, transmitia um certo nível de “estranheza”. Afinal, Deepak Chopra colocou uma máquina a ensinar pessoas reais a lidar com um problema real.

Mas parece ter resultado, garantem alguns dos participantes. Deepak Chopra batizou o método de “fórmula STOP”. O “S” significa “Stop” ou, em português, “Páre”. O “T” vem de “Take a breathing break and smile”, que se traduz para “Tire uma pausa para respirar e sorria”. O “O” é para “Observe the sensations on your body”, que em português significa “Observe as sensações no seu corpo”. E o “P” significa “Proceed with love, compassion and awareness” ou “Continue com amor, compaixão e reconhecimento”.

O primeiro passo é “parar”, avançou o avatar de Deepak Chopra. “Onde quer que esteja, em qualquer altura do dia”, se se sentir assoberbado e for inundado por uma sensação arrebatador de pressão, simplesmente “pare”. A julgar pela atividade conduzida pelo autor de vários best-sellers, encontrar uma playlist com ruído branco e umas imagens que tenham água e uma floresta pode ajudar.

Respire fundo e lentamente três vezes com intervalos de sete segundos. Quando sentir uma maior sensação de tranquilidade, “sorria e leve a sensação ao coração, como se o coração estivesse a sorrir”. A seguir, sorria novamente mas, desta vez, “leve a sensação à barriga, como se a barriga estivesse a sorrir”. Depois, continue a sorrir e “leve a sensação aos dedos dos pés, como se cada um deles estivesse a sorrir”, aconselha Deepak Chopra. No fim, “leve a sensação ao corpo inteiro”, respire fundo e “observe o corpo, veja os efeitos do sorriso e repare como se sente agora”.

O próximo passo é, simplesmente, respirar: inspire para “sentir o amor e compaixão a entrar no seu coração” e depois expire para sentir essas sensações “a a espalharem-se do seu coração para o mundo”. Continue a respirar com calma durante longos minutos, tantos quantos forem necessários para lhe trazer a tranquilidade que procurava no início desta atividade. A seguir, “pode continuar a vida com amor, compaixão e reconhecimento”.