Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Corria o verão de 2013 e os Miami Heat de LeBron James tinham acabado de conquistar o segundo título consecutivo da NBA ao derrotarem os San Antonio Spurs nas Finals. No draft para a época seguinte, um então ainda muito desconhecido Giannis Antetokounmpo foi a 15.ª escolha. Rudy Gobert, um prodígio francês, foi eleito na 27.ª posição. Michael Carter-Williams, que acabaria por ser o rookie do ano nos Philadelphia 76ers, foi só o 11.º nome a ser chamado. O número 1 do draft, o lugar pelo qual suspiram milhares de jovens basquetebolistas nos Estados Unidos e no mundo inteiro, foi Anthony Bennett. E a pergunta certa, depois de ouvir este nome, é mesmo “quem?”.

Anthony Bennett, canadiano de Toronto, tinha 20 anos quando foi a primeira escolha do draft da NBA — tornando-se o primeiro jogador do Canadá a alcançá-lo. Na Universidade do Nevada, nos anos anteriores, demonstrou uma eficácia acima da média e uma capacidade física invejável. Com 2,03 metros e 111 quilos e selecionado pelos Cleveland Cavaliers, foi comparado a Larry Johnson, também ele um antigo n.º 1 do draft que brilhou nos Charlotte Hornets nos anos 90 e foi duas vezes All-Star. A escolha, porém, foi desde logo interpretada com muito ceticismo: se era certo que Bennett tinha qualidade, também era certo que tinha sofrido várias lesões ao longo do percurso universitário e que nunca tinha tido uma temporada completa. Passados oito anos, o ceticismo revelou-se verdadeiro.

Anthony Edwards, o número 1 do draft da NBA que se inspira na própria tragédia para manter “Georgia on his mind”

O jogador canadiano nunca conseguiu afirmar-se na NBA e entre 2013 e 2017 passou pelos Minnesota Timberwolves, os Toronto Raptors e os Brooklyn Nets sem passar de uma média de 4,4 pontos e 3,1 ressaltos por jogo. Tentou a sorte na Europa, assinando pelos turcos do Fenerbahçe, mas as pobres exibições ao fim de 10 partidas também não lhe valeram grande futuro. Foi contratado pelos Phoenix Suns e dispensado ao fim de um mês e passou depois pelos Northern Arizona Suns, os Maine Red Claws e os Agua Caliente Clippers, três equipas da G League, a liga de desenvolvimento da NBA.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Em 2019, ainda conseguiu uma eventual via de regresso à NBA e teve uma derradeira oportunidade nos Houston Rockets, que o incluíram no plantel para a pré-temporada e nos estágios de treino. Uma lesão no joelho que o obrigou a ser submetido a uma cirurgia, porém, voltou a afastar Anthony Bennett do sonho que sempre teve. Quase dois anos depois, conseguiu voltar a competir através dos Cangrejeros de Santurce, da liga de Porto Rico. Até ao passado mês de agosto.

Há cerca de um mês e aos 28 anos, Anthony Bennett assinou pelo Hapoel Jerusalem, de Israel — um clube que tem duas ligas israelitas e uma EuroCup no palmarés e cujo diretor desportivo, Yotam Halperin, ganhou duas vezes a EuroLeague e chegou a ser selecionador pelos Seattle SuperSonics da NBA, embora nunca tenha conseguido um contrato. Ao lado de Thon Maker e Sean Kilpatrick, outros dois ex-NBA, Bennett teve uma estreia surpreendente e fez 16 pontos, sete ressaltos e uma assistência contra o Bnei Herzliya. Se é certo que uma estreia vale o que vale, também é certo que o canadiano nunca tinha conseguido ter impacto imediato em nenhuma das equipas que já representou.