Obrigado por ser nosso assinante. Pode ler este e todos os artigos do Observador em qualquer dispositivo.

Devido aos ajuntamentos de jovens no do Largo Vitorino Damásio, em Santos (Lisboa), que ocorreram nesta sexta-feira, a Polícia de Segurança Pública (PSP) afirma que vai “reforçar” a presença policial neste local com o objetivo de evitar problemas maiores. Em declarações ao Observador, o Comissário Ricardo Barata, afirmou: “Temos estado atentos”.

Na passada sexta-feira, e como tem sido partilhado nas redes sociais, um grupo de centenas de jovens aglomerou-se nesta zona, tendo ocupado a estrada e chegado, inclusive, a perturbar o trânsito automóvel com jovens a saltarem para cima de carros que passavam. O mesmo fenómeno já tinha acontecido na sexta-feira anterior, apesar de haver menos pessoas presentes.

Uma imagem de uma das stories públicas partilhadas no Instagram pela conta de Gabriela Pinheiro que mostra o que ocorreu na sexta-feira à noite

O responsável da PSP explicou que o ocorrido teve como causa “o fecho dos bares às duas da manhã” e que, pouco tempo depois, a multidão de jovens entre os “16 e 25 anos” já tinha sido dispersada sem “qualquer tipo de tensão” ou autos levantados. “Tentámos desmobilizar as pessoas que estavam a prevaricar e a ocupar a via de trânsito”.

[Também houve quem partilhasse imagens no Twitter juntamente com críticas. A PSP afirma que não houve “momentos de tensão”]

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A presença de jovens neste local pode ser explicada, segundo o Comissário Ricardo Barata, por se estar a viver um momento em que as pessoas sentem que “a pandemia está a acabar”, ao mesmo tempo que acontece o regresso às faculdades e ao ensino secundário. A isto, “acresce a situação das praxes”, refere a PSP.

Antes da pandemia, já havia “um grande número de jovens” que se juntava neste local, refere Ricardo Barata. Contudo, agora, a PSP tem feito um novo “acompanhamento” para perceber que novos fenómenos de “deslocação” vão ocorrer na noite lisboeta. “Há bares que já não abriram e outros como novas gerências”, explica o responsável quanto à nova gestão logística que a autoridade tem agora de ter em conta.