Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Diretores e coordenadores de unidades de saúde em Portugal estimam que será preciso acompanhar mais de 100 mil pacientes com covid longa, uma vez que pelo menos 10% dos doentes que estiveram infetados com SARS-CoV-2 terão sintomas além dos três meses, noticiou o Expresso.

Estudo. Cerca de metade dos recuperados apresentam sintomas de “covid longa”

Filipe Froes, pneumologista e coordenador do gabinete de crise para a Covid-19 da Ordem dos Médicos, diz que “é uma sobrecarga muito grande” para os hospitais. Até porque os doentes com covid longa “estão a aparecer em catadupa”, afirma o também coordenador da unidade de cuidados intensivos do Hospital Pulido Valente, em Lisboa.

No Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, o diretor do serviço de pneumologia, Carlos Robalo Cordeiro, destaca que há cada vez mais doentes com sintomas prolongados no tempo ainda que só tenham tido doença ligeira e não tenham estado internados.

Probabilidade de desenvolver “Covid de longa duração” reduzida para quase metade após duas doses da vacina

O problema é que só os doentes com pós-covid grave são acompanhados no hospital. Os doentes ligeiros têm de ser acompanhados nos centros de saúde por falta de capacidade das unidades hospitalares.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Uma das especialidades mais procuradas é pneumologia, porque muitas pessoas se queixam de falta de ar. No entanto, há mais de 200 sinais e sintomas associados à covid longa, o que requer consultas multidisciplinares, explica Filipe Froes.

Leia também: