A presidente da Fundação José Saramago, Pilar del Río, disse que é “uma alegria” e “uma boa notícia” a primeira cátedra em Portugal que tem o escritor como patrono, constituída esta sexta-feira na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Esta é também uma das primeiras iniciativas em território nacional no âmbito da celebração do centenário de José Saramago, que arranca este mês.

Esta primeira cátedra em Portugal é uma alegria, uma esperança, uma boa notícia em tempos em que as boas notícias não são muitas”, afirmou Pilar del Río.

É a primeira em Portugal, mas realçou que “há já muitas cátedras” espalhadas pelo mundo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Pilar del Río referiu que este vai ser um “ano inteiro não de homenagem a Saramago, mas de notícias culturais”, que vão juntar várias áreas desde a música, ao cinema e teatro. Pretende-se, frisou, que as comemorações sejam plurais e de celebração da cultura numa altura após pandemia.

Esta sexta-feira, em Vila Real, foi assinado o ato de constituição da cátedra na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD).

Quando o único prémio Nobel da Literatura portuguesa nos dá a honra, através da fundação com o seu nome, de constituirmos uma cátedra no âmbito de estudos de língua portuguesa, penso que demos hoje mais um pequeno passo de afirmação na região, no país e no mundo”, salientou o reitor da UTAD, Emídio Gomes.

A cátedra vai desenvolver-se no âmbito da Escola de Ciência Humanas e Sociais da UTAD e as áreas de atuação são a docência, a investigação e a ação cultural.

Terá o apoio da Livraria Lello, do Porto, como um centro de desenvolvimento de estudos por onde passarão estudantes de mestrado ou doutoramento e todos os que queiram desenvolver conhecimento no âmbito da obra de Saramago.

Serão realizadas atividades em diversos espaços e lugares de Trás-os-Montes e Alto Douro, mas também em todo o território português e serão estabelecidas parcerias com diversas entidades.

No seu âmbito decorrerão ciclos de tertúlias e encontros com a comunidade, conferências, seminários, cursos, aulas e peças de teatro e procurar-se-á envolver a comunidade adulta, bem como as crianças, as famílias, as escolas, as universidades, as autarquias.

Haverá atividades como colóquios sobre o pensamento, a ação e a obra de José Saramago e de outros autores, nomeadamente os que receberam ou venham a receber o Prémio Literário José Saramago.

Os promotores da iniciativa salientaram a ligação de José Saramago à região de Trás-os-Montes e Alto Douro e lembraram o percurso do “viajante”, como Saramago se autointitula no livro “Viagem a Portugal” (1981), que começa em Miranda do Douro, alonga-se por todo o Nordeste transmontano e estende-se pelo território nortenho.

A administradora da Livraria Lello, Aurora Pedro Pinto, destacou a ligação “afetiva” a Saramago. “Sendo nós uma casa de livros, os livros de Saramago ocupam um lugar especial de tal modo que abrimos uma sala exclusivamente dedicada a Saramago”, referiu a responsável.