Momentos-chave
Histórico de atualizações
  • Acesso a recintos públicos e privados condicionado a partir de hoje na Madeira

    Os recintos públicos e privados da Madeira passam hoje a ser acessíveis apenas com certificado de vacinação contra a Covid-19 ou teste antigénio, mas daqui a uma semana o acesso à maioria dos espaços requer ambos os comprovativos.

    A obrigatoriedade de apresentação de um dos dois documentos aplica-se desde as 00h00 de hoje e envolve a possibilidade de os cidadãos realizarem testes rápidos gratuitos de sete em sete dias (período durante o qual os resultados são considerados válidos).

    Contudo, a partir das 00h00 do dia 27 (sábado da próxima semana) a apresentação de apenas um dos comprovativos (vacinação ou teste rápido) mantém-se apenas para aceder a supermercados e mercearias, transportes públicos, farmácias e clínicas, igrejas e outros locais de culto, e para realizar atos urgentes relativos à Justiça e recorrer a outros serviços essenciais.

  • Violenta manifestação contra medidas de restrição da pandemia em Roterdão. Polícia fala em pelo menos dois feridos

    Vários manifestantes saíram à rua, em Roterdão, para protestar contra a possível implementação do certificado digital à entrada de espaços público. Polícia está no local e há feridos.

    Violenta manifestação contra medidas de restrição da pandemia em Roterdão. Polícia fala em pelo menos dois feridos

  • PS/Madeira censura "incoerência" do presidente do governo regional

    “Como é que Miguel Albuquerque veio a público ainda esta semana dizer que a situação pandémica na região estava controlada e, ontem mesmo, sentiu necessidade de tomar medidas tão restritivas?”

    PS/Madeira censura “incoerência” do presidente do governo regional

  • Da vacinação obrigatória ao confinamento. 4 perguntas e respostas para entender o que se passa na Áustria

    O país regressa ao confinamento total a partir de segunda-feira, após casos diários terem disparado. Taxa de vacinação “vergonhosamente baixa” obrigou a decretar a sua obrigatoriedade.

    Da vacinação obrigatória ao confinamento. 4 perguntas e respostas para entender o que se passa na Áustria

  • ONU diz que vacinação obrigatória deve cumprir certas condições

    O Governo austríaco aprovou um confinamento geral de pelo menos vinte dias a partir de segunda-feira e a vacinação obrigatória para toda a população a partir de 1 de fevereiro de 2022.

    ONU diz que vacinação obrigatória deve cumprir certas condições

  • Hospital de Beja sem camas para doentes em cuidados intensivos

    Desde o início das obras o hospital já transferiu oito doentes com Covid-19 e necessidade de cuidados intensivos para o Hospital do Espírito Santo de Évora.

    Hospital de Beja sem camas para doentes em cuidados intensivos

  • Câmara do Funchal vai disponibilizar testes antigénio a todos os trabalhadores

    O presidente do município, o social-democrata Pedro Calado, considera que “esta agilização e conjugação de esforços garantirá o acesso mais fácil e cómodo de todos os trabalhadores” à testagem.

    Câmara do Funchal vai disponibilizar testes antigénio a todos os trabalhadores

  • Representante da República para a Madeira admite "dúvidas" nas medidas do governo regional

    O representante da República argumenta que, “num Estado de direito de democrático, as normas emanadas pelos órgãos próprios gozam da presunção de legalidade”.

    Representante da República para a Madeira admite “dúvidas” nas medidas do governo regional

  • Regulador europeu aprova uso de emergência de antiviral molnupiravir

    O medicamento, que não está ainda autorizado na UE, pode ser usado para tratar adultos com Covid-19 que não necessitam de oxigénio suplementar, mas que apresentam risco acrescido de ter um caso grave.

    Regulador europeu aprova uso de emergência de antiviral molnupiravir

  • Vacinar crianças dos 5 aos 11 anos como defendeu Henrique de Barros? EMA deve anunciar conclusões quarta-feira

    Na análise da evolução da pandemia de Covid-19 em Portugal Henrique Barros destacou que as crianças, não vacinadas, são dos grupos com mais casos e sugeriu a sua vacinação. EUA já o fazem.

    Vacinar crianças dos 5 aos 11 anos como defendeu Henrique de Barros? EMA deve anunciar conclusões quarta-feira

  • EMA avalia medicamento da Pfizer para emitir recomendação

    A Pfizer já tinha anunciado que o seu medicamento antiviral contra a Covid-19 é eficaz na redução de hospitalizações ou mortes em quase 90%, entre pessoas com infeções leves ou moderadas.

    EMA avalia medicamento da Pfizer para emitir recomendação

  • Taça Davis à porta fechada em Innsbrück devido a novo confinamento

    Os encontros da Taça Davis em Innsbrück, agendados entre 25 e 30 de novembro, vão decorrer à porta fechada, devido ao novo confinamento decretado pelo governo austríaco, anunciou hoje a Federação Internacional de Ténis (ITF).

    “Sei que as seleções, os organizadores e todas as pessoas implicadas na competição partilham a nossa deceção por ver os encontros da Taça Davis em Innsbrück serem disputados à porta fechada”, evidenciou o presidente da ITF, citado em comunicado.

    David Haggerty precisou que os preparativos para a eliminatória da principal competição por seleções do ténis prosseguem “em conformidade com todas as diretrizes governamentais” austríacas.

  • Paulo Rangel defende reforço da pedagogia antes da imposição de restrições

    O candidato a presidente do PSD Paulo Rangel defendeu hoje um reforço da pedagogia junto da população antes de avançar para medidas restritivas e acusou o Governo de estar a falhar na comunicação relativamente à pandemia Covid-19.

    Paulo Rangel falou aos jornalistas à entrada para um encontro com militantes do partido, em Bragança, e disse que ainda não tinha tido tempo de ouvir as recomendações que tinham acabado de ser divulgadas da reunião de peritos, face ao aumento dos casos de infeção em Portugal.

    Paulo Rangel expressou a posição que tem sobre esta matéria assente “em primeiro lugar numa mensagem pedagógica” e só depois, à medida que a situação sanitária for sendo acompanhada, e tendo em conta as recomendações, “poderá haver uma medida ou outra mais exigente”.

  • Regulador europeu aprova uso de emergência de antiviral molnupiravir

    A Agência Europeia do Medicamento aprovou hoje o uso de emergência do antiviral molnupiravir para a Covid-19, a decidir por cada Estado-Membro da União Europeia.

    O medicamento, que não está ainda autorizado na União Europeia, pode ser usado para tratar adultos com Covid-19 que não necessitam de oxigénio suplementar, mas que apresentam risco acrescido de ter a doença na sua forma grave, refere o regulador em comunicado publicado no seu portal.

    O antiviral, também conhecido pelo nome Lagevrio, deve ser administrado “assim que possível após o diagnóstico” e no prazo de cinco dias após o aparecimento de sintomas. Disponível em cápsulas, o medicamento deve ser tomado duas vezes por dia, durante cinco dias.

  • Medidas para a Madeira serão de difícil aplicação e precisam esclarecimentos, defende ACIF

    O presidente da Associação Comercial e Industrial do Funchal (ACIF) considerou hoje que as medidas de combate à Covid-19 adotadas pelo governo madeirense serão de “difícil aplicação” e precisam de esclarecimentos.

    Em declarações à Lusa, Jorge Veiga França salientou que compreende a necessidade de adoção de medidas contra a pandemia e considerou positivo o facto de o governo da Madeira ter hoje decidido adiar por uma semana a aplicação total das medidas, criando um período de transição, embora considere que uma semana é insuficiente para que as empresas se preparem para as novas regras e que vão ser necessários vários esclarecimentos.

    Segundo o responsável, se por um lado será pacífico a testagem de quem se dirija a um restaurante em grupos ou participe num evento ou numa festa, por outro lado há situações “que terão de ter um enquadramento ou uma clarificação para que se enquadrem em medidas exequíveis e razoáveis”, como o do simples consumidor que, para tomar um café, será obrigado a que verifiquem se tem o certificado de vacinação e se tem um teste válido no prazo inferior a sete dias.

  • Presiente da Assembleia da Madeira apela a cumprimento de medidas

    O presidente da Assembleia Legislativa da Madeira instou hoje todos os madeirenses a cumprirem as medidas de combate à pandemia da Covid-19 anunciadas pelo Governo Regional, salientando que a atual situação “é muito grave”.

    “A situação é muito grave, com um grande aumento de infeções e de internamentos, inclusive nos cuidados intensivos, que se não for travado poderá conduzir a um colapso dos serviços de saúde”, disse José Manuel Rodrigues numa nota enviada às redações.

    O responsável do principal órgão de governo próprio da região autónoma argumentou que se “exige de cada cidadão a máxima responsabilidade para combater esta nova vaga da pandemia e salvaguardar a saúde pública”.

  • Angola com mais 12 casos em terceiro dia consecutivo sem mortes

    Angola registou 12 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas, sem qualquer morte, pelo terceiro dia consecutivo, refere o boletim epidemiológico da Direção Nacional de Saúde Publica.

    Nas últimas semanas, as infeções pelo novo coronavírus têm registado forte abrandamento em Angola, abaixo dos 20 casos por dia, situação que a autoridades de saúde relacionaram com o progresso da vacinação em Luanda, principal foco da epidemia no país africano.

    Os casos registados nas últimas 24 horas são relativos a Luanda (11) e Zaire (um), entre 19 e 83 anos, sendo oito homens e quatro mulheres.

    Foram também consideradas recuperadas da doença 13 pessoas.

    Angola contabiliza agora 64.997 casos, dos quis 63.026 recuperados da doença, 242 ativos e 1.729 óbitos.

  • Madeira regista hoje uma morte, 60 novos casos e mais sete internados

    A Madeira registou, nas últimas 24 horas, uma morte associada à Covid-19, 60 novos casos e mais sete doentes internados, indicou hoje a Direção Regional da Saúde (DRS).

    Relativamente ao óbito, trata-se de uma doente de 79 anos, com comorbilidades associadas, que estava internada no Hospital Dr. Nélio Mendonça, no Funchal, informa a DRS.

    Dos 60 novos casos, quatro são importados e os restantes são de transmissão local, de acordo com o boletim epidemiológico diário, que acrescenta que há hoje mais 47 doentes recuperados.

    A Madeira passa, assim, a contabilizar 464 casos de Covid-19 ativos, dos quais 40 são importados e 424 de transmissão local.

  • "Processo de vacinação está mais confuso porque se retirou logística e organização", aponta pneumologista

    Em declarações à Rádio Observador, o presidente da Sociedade Portuguesa de Pneumologia lamenta que o processo de vacinação tenha sido “interrompido” e defende que a ‘task-force’ tem de estar “sempre preparada a agilizar”.

    “Estamos a ter problemas na cobertura daqueles que têm mais de 80 anos. Estas pessoas não ficaram menos amigas do telemóvel do que eram. O processo é que está mais confuso, porque se retirou alguma da logística e da organização, e isso não foi positivo”, afirma António Morais, numa reação às apresentações feitas durante a reunião na sede do Infarmed.

    Para este especialista, não é possível comparar a situação atual com a de há um ano, ainda assim, é essencial estancar a evolução do índice de transmissibilidade.

    “É arriscado estarmos com um nível de Rt de cerca de 1,2. Há um menor risco de doença grave, mas o aumento do número de casos vai levar mais pessoas para os cuidados intensivos, é preciso travar a transmissibilidade”, sublinha.

    Quanto a medidas mais drásticas, António Morais rejeita “confinamentos absolutos” como o encerramento das escolas, mas defende o regresso do uso obrigatório de máscara: “É preciso máscara, é evidente”.

    Nestas declarações à Rádio Observador, o especialista manifesta também “algumas dúvidas” em relação ao regresso ao teletrabalho, justificando com a forma como tem mudado o perfil da “relação” dos serviços públicos com a população.

    Vacinação. “Processo está mais confuso porque se retirou logística e organização”, aponta pneumologista

1 de 5