Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Uma violenta manifestação irrompeu as ruas de Roterdão esta sexta-feira à noite. A polícia holandesa confirmou a existência de dois feridos e a detenção de 51 pessoas, metade das quais com menos de 18 anos, na sequência de um protesto organizado para contestar as medidas restritivas da pandemia, principalmente o uso de um certificado digital.

“Uma manifestação [na rua] de Coolsingel resultou numa troca de tiros”, informaram as autoridades, acrescentando que os manifestantes incendiaram carros e atiraram pedras. Em resposta, a polícia disparou tiros e usou canhões de água para afastar a multidão.

A violência levou a que a polícia aconselhasse as pessoas a ficarem em casa e o metro foi encerrado, tendo sido acionada a ordem de emergência na segunda maior cidade holandesa. As autoridades mantiveram-se na rua até de madrugada para tentar conter a onda de violência, condenada já por vários representantes políticos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O presidente da câmara de Roterdão, Ahmed Aboutaleb, disse que o protesto se transformou numa “orgia de violência”, afirmando numa conferência de imprensa que a polícia foi obrigada a recorrer a armas de fogo, citou a Reuters.

O ministro da Defesa, Ferd Grapperhaus, classificou em comunicado a “extrema violência” contra a polícia e bombeiros de Roterdão como “repulsiva”. “O direito ao protesto é muito importante na nossa sociedade, mas o que aconteceu ontem à noite foi comportamento criminoso”, afirmou o governante, também segundo a Reuters.

Os Países Baixos registaram um aumento de casos de Covid-19, tendo sido registado na quinta-feira um novo máximo de infeções diárias (mais de 23 mil).

Face à escalada de contágios e a pressão dos serviços de saúde, o governo de Mark Rutte decidiu implementar um confinamento parcial. O governo holandês pondera também restringir os locais públicos a pessoas que não tenham um certificado digital que indique que foram vacinadas contra a Covid-19, que recuperaram da infeção ou que fizeram um teste com resultado negativo, tendo sido esta medida que esteve na origem dos protestos desta sexta-feira.

A violência levou os organizadores de um protesto em Amesterdão a cancelaram a iniciativa marcada para este sábado. Apesar disso, várias centenas de pessoas reuniram-se no centro da cidade, acompanhadas por forte presença policial.

Artigo atualizado às 15h52 de 20/11/2021