Vítor Matos

Convidado

Foi jornalista da Sábado durante 12 anos, desde a fundação da revista em 2004. Também integrou a equipa inicial da Focus (1999-2001), e a seguir foi jornalista free-lancer durante quase dois anos até regressar ao Diário Económico (2003-04), onde já tinha estado em 1998-1999. É jornalista desde 1994 e trabalha no Observador desde 2016. Escreveu a biografia "Marcelo Rebelo de Sousa" e o livro "Os Predadores" sobre como funcionam os partidos.

Artigos publicados

Presidente da República

Os 36 minutos rapidíssimos de Marcelo

180
Marcelo quer falar, mas quer falar pouco. Ele sabe que pode falar todos os dias a jornalistas de microfone esticado, através dos quais comunica diretamente e em permanência com os portugueses.
Comentário Político

Tratar da vidinha enquanto a revolução não chega

Como todos estaremos mortos no longo prazo, enquanto a revolução não chega é preciso ir tratando da vidinha. No imediato, isso significa arranjar maneira de prolongar a vida ao Governo do PS.
Marcelo Rebelo de Sousa

Ele é catavento. Ele é mediático

No fundo, percebe para que lado vai o vento. E isso é diferente de ir para onde o vento vai. Foi essa leitura que treinou toda a vida. Mas a verdadeira prova será no dia da primeira crise política.
Estado da Nação

Ancorado aos fundos

O ministro da Agricultura, Capoulas Santos, sabe do assunto, mas a manta orçamental é curta. Tem setores a arder, como a suinicultura ou os produtores de leite.
Estado da Nação

O ministro que ia levando à insubordinação

Azeredo Lopes, ministro da Defesa, conseguiu evitar as cativações na LPM, mas perdeu-se com a polémica do Colégio Militar que levou à demissão do Chefe do Estado-Maior do Exército.
X Convenção do Bloco de Esquerda

Catarina, Portas da esquerda

Será Catarina Martins o Paulo Portas da esquerda, pragmático e idealista, insititucionalizado, que abandonou as bandeiras partidárias rendido ao realismo do poder? Veremos.
Congresso do PS

De poucochinho em poucochinho

O PS entrou numa nova fase: a do euroceticismo. Situa-se pela primeira vez fora da maioria europeia, das instituições, dos países e das forças políticas dominantes.
Congresso do PSD

"Keep cool", um congresso anestésico

Nem Passos se reinventou, nem a equipa se refrescou, nem os maiores críticos apareceram, nem os que geraram expectativas as cumpriram ou ultrapassaram. O povo laranja sai de Espinho mais nervoso.
A página está a demorar muito tempo.