Património da Humanidade

Língua, interculturalidade e descobrimentos portugueses como património mundial

Autor

Teve acolhimento na Academia das Ciências de Lisboa, e já se iniciou o processo de uma classificação conjunta como Património Mundial da Língua, da Interculturalidade e dos Descobrimentos Portugueses

Para os leitores ainda não conhecedores destas temáticas em que me empenho, começo por remeter para os meus anteriores  5 textos, publicados no “Observador” em 24 de Março, 9 de Abril, 3 de Maio, 19 de Junhoe 28 de Junhode 2018.

Venho brevemente dar conta dos desenvolvimentos do assunto, esquematizando os antecedentes.

Nada tenho a ver com uma recente e grande polémica surgida na Câmara Municipal de Lisboa a propósito do seu projectado, em 2015,  Museu das Descobertas.

Por coincidência, no início deste ano de 2018, e sem sequer saber dessa iniciativa camarária, retomei o meu sonho com cerca de 40 anos de um museu com enfoque na Interculturalidade e dedicado ao Portugal Global, conceito pacifista, que não implica domínio, não ofende.

De facto, o meu sonho é maior em quatro aspectos:

  1. quer a Paz, no que coincide com os objectivos da UNESCO e da ONU;
  2. abrange muito mais em tempo e espaço do que a época da Expansão e dos Descobrimentos…
  3. pois os séculos XV/XVI são um começo da verdadeira globalização e do maior encontro de culturas/interculturalidade;
  4. abrange a classificação como Património Mundial da UNESCO desta extraordinária aventura portuguesa.

Já antes, justifiquei inclusivamente a classificação do “Portugal Global” como Património Mundial e os apoios  obtidos nesse sentido, sobretudo da Academia Portuguesa da História e do Embaixador de Portugal na UNESCO.

No dia 28 de Junho, em combinação com a Presidente da Academia Portuguesa da História, Prof. Doutora Manuela Mendonça, enviei um Memorandum ao Presidente da República sobre este assunto.

No passado dia 10 de Julho, participei na Academia das Ciências de Lisboa no notável Colóquio “Unidade e Diversidade da Língua Portuguesa”, em que o Prof. Doutor Adriano Moreira, na comunicação “A língua não é nossa, também é nossa”, sugeriu a classificação da língua como Património Mundial.

No final do colóquio, sugeri que houvesse uma classificação conjunta como Património Mundial da Língua, da Interculturalidade e dos Descobrimentos Portugueses, e como o Presidente da Academia das Ciências de Lisboa, Prof. Doutor Artur Anselmo logo concordou no sentido de avançar rapidamente com este projecto, já houve uma primeira simples reunião, no dia 13 de Julho, devendo  depois das férias, em Setembro, serem convocadas as classes de Letras e de Ciências, e a Academia Portuguesa da História.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Polémica

Museu Portugal Global, e não Museu das Descobertas

Matilde Sousa Franco

“A história portuguesa é história global” e “o lugar de Portugal é de crucial importância”! Porquê continuarmos a menorizarmo-nos a nós próprios? Porquê ter medo de admitir que Portugal foi global?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)