Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

No passado dia 7 de Julho, a Basílica, Convento e Palácio Nacional de Mafra e o Bom Jesus do Monte, em Braga, passaram a fazer parte do património cultural mundial, por decisão tomada em Baku, no Azerbaijão da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

É muito de saudar que mais dois monumentos nacionais tenham sido – a par, entre outros, dos mosteiros de Alcobaça, da Batalha e dos Jerónimos e do convento de Cristo, em Tomar – reconhecidos como expoentes máximos, não apenas da cultura nacional, mas mundial. É particularmente significativo que estes dois monumentos nacionais, agora incluídos no património mundial, sejam essencialmente religiosos: Mafra é, sobretudo, uma basílica e um convento, para além de palácio nacional; e o Bom Jesus é um conjunto arquitectónico constituído por uma basílica e várias capelas.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.