II Guerra Mundial

O Holocausto e a II Guerra Mundial em três documentários obrigatórios

419

"A Noite Cairá", um dos acontecimentos documentais do ano, e que contou com a mão de Hitchcock, é um dos filmes que chega esta quinta-feira ao Cinema Ideal. Mas há muito mais.

2015 vai ser um ano desafiante para quem se interessa pela história da Segunda Grande Guerra

Getty Images

No ano em que se comemoram 70 anos sobre o fim da II Guerra Mundial, e a propósito do Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, que se assinala a 27 de janeiro, vão estrear três documentários imperdíveis. “A Noite Cairá”, “O Homem Decente” e “O Último dos Injustos” chegam esta quinta-feira ao Cinema Ideal, em Lisboa, pela mão da Midas Filmes.

Foram precisos 70 anos para ver algumas das imagens incluídas no documentário “A Noite Cairá“. André Singer reuniu as primeiras filmagens feitas pelos aliados dos campos de extermínio nazis, trabalhadas em 1945 por Sidney Bernstein em colaboração com Alfred Hitchcock. Depois, adicionou-lhes testemunhos das pessoas que encontraram campos como Auschwitz, e narração de Helena Bonham Carter. O resultado faz dele uma das estreias documentais do ano em Portugal, a revelação das imagens que os Aliados em 1945 quiseram silenciar, com medo de voltar a humilhar os alemães, como tinha acontecido no final da I Guerra Mundial. As fitas foram encontradas no Imperial War Museum, em Londres, e, para além de “A Noite Cairá”, deverá sair este ano “Memória dos Campos”.

O segundo documentário em exibição no Cinema Ideal será “O Homem Decente“, da israelita (nascida na Bélgica) Vanessa Lapa. O filme de 94 minutos é um retrato de Heinrich Himmler, comandante das SS, feito a partir de fotografias, diários e cartas – até de amor – daquele que é considerado o arquiteto principal da “solução final”. Os efeitos sonoros, das músicas da época ao ambiente nas ruas, tornam as imagens mais vivas e atuais.

Outro retrato, mas de um homem diferente, é o que faz Claude Lanzmann em “O Último dos Injustos“. Em 1975, o documentarista francês foi a Roma entrevistar Benjamin Murmelstein, o último presidente do Conselho Judeu do gueto de Terezin e o único que sobreviveu. Rabino em Viena, Murmelstein, depois da anexação da Áustria pela Alemanha em 1938, foi o mediador entre os judeus e o oficial nazi Adolf Eichmann, cujas ações lhe valeram acusações de colaboracionismo. Ainda assim, durante sete anos, conseguiu fazer com 121 mil judeus emigrassem e evitou a liquidação do gueto.

Em 2012, com 87 anos, Claude Lanzmann recuperou os materiais das entrevistas e, sem mascarar a passagem do tempo, regressou a Terezin, a cidade eleita por Adolf Eichmann para enganar o mundo. Através dos diferentes tempos e lugares, o filme revela, ao longo de quase quatro horas, a génese da solução final, desmascara o verdadeiro rosto de Eichmann e desvenda as contradições do Conselho Judeu.

“O Último dos Injustos” (exibições às 16h00), “O Homem Decente” (às 20h00) e “A Noite Cairá” (21h45) ficam no Cinema Ideal até 4 de fevereiro, acompanhados pela reposição em versão digital restaurada de “O Grande Ditador”, de Charles Chaplin (em exibição aos sábados e domingos às 11h00).

2015 vai ser um ano desafiante para quem se interessa pela história da Segunda Grande Guerra. No dia 26 de janeiro, também em Lisboa, o Teatro Nacional de São Carlos vai receber um recital com obras que o compositor Viktor Ullmann criou no campo de concentração de Terezin, na República Checa, para onde foi deportado pelos nazis em 1942. Segue-se a exibição do documentário “Noite e Nevoeiro”, que Alain Resnais realizou sobre o Holocausto, com acompanhamento musical ao vivo pela Orquestra Sinfónica Portuguesa e narração de Luís Miguel Cintra.

auschwitz-livro

O novo livro de Esther Mucznik sobre Auschwitz chegou às livrarias a 16 de janeiro

Já esta quinta-feira, 22 de janeiro, a editora Esfera dos Livros lança Auschwitz, um dia de cada vez, escrito por Esther Mucznik, que integra a direção da Comunidade Israelita de Lisboa. A apresentação deste documento escrito sobre a realidade do campo de extermínio polaco, contada por aqueles que a viveram, acontece no El Corte Inglés, às 18h30. A apresentação será feita por Jaime Gama.

Em maio chega às livrarias The Zone of Interest, romance de Martin Amis que regressa ao tema de maior interesse para o autor, os campos de concentração. O livro vai ser editado pela Quetzal.

Na televisão por cabo, o Discovery Channel lembra o 70.º aniversário da libertação de Auschwitz com uma programação especial durante todo o próximo domingo, 25 de janeiro, que inclui a emissão de diversos documentários que analisam as estratégias militares de fascistas e Aliados, o caminho percorrido durante a ascensão do partido nazi e as batalhas mais determinantes do conflito. Um dos destaques cujo é a estreia do documentário “Um dia em Auschwitz”, às 21h00.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: socoelho@observador.pt
Web Summit

O absurdo não mata (mas mói)

Jorge Barreto Xavier

Afinal, segundo o ministro da Cultura, o grande problema do indigno jantar da Web Summit no Panteão Nacional, autorizado pela DGPC em 2017 foi: o preço... baixo.

Aquecimento Global

Salvem-nos dos salvadores do mundo

Paulo Tunhas

Na controvérsia sobre o chamado aquecimento global, a dimensão científica e a dimensão política quase se confundem. Há uma passionalidade extrema que vicia a discussão de forma muito notória.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site