Logo Observador
Cinema

Vanity Fair. Quais são os 6 erros desta imagem?

Esta é a capa que a Vanity Fair lançou para a edição Hollywood. Há mulheres de todas as idades e vários tons de pele para enaltecer a diversidade na indústria do cinema. Mas pode ter corrido mal.

Annie Leibovitz exclusively for Vanity Fair

A Vanity Fair lançou esta semana a edição Hollywood, uma iniciativa que ano após ano reflete sobre um dos assuntos mais discutidos da indústria cinematográfica no ano da publicação. Em 2016, a fotógrafa Annie Leibovitz debruçou-se sobre o tema incontornável da cerimónia dos Óscares, que se avizinha a passos largos: a falta de diversidade de género, de etnia e etária que muitos nomes sonantes do cinema sublinharam quando prometeram boicotar a maior festa do cinema de Hollywood.

A capa – desdobrável em três partes – tem  Jane Fonda, Cate Blanchett, Jennifer Lawrence e Viola Davis na face principal. A intenção é explícita: colmatar aquilo que os responsáveis pelos Óscares não terão conseguido. E conseguiram-no, no sentido em que Annie Leibovitz colocou uma mulher negra na capa da revista pela primeira vez desde os últimos 17 anos e a uma mulher negra com menos de 30 anos pela primeira vez na história da Vanity Fair.

Objetivo cumprido? Nem por isso, escreve o The Guardian. O jornal britânico afirma que as boas intenções de Annie Leibovitz – e da própria Vanity Fair – valeram à revista um tiro ao lado na missão da edição de Hollywood. Mesmo tendo outras atrizes negras, como Lupita Nyong’o e Gugu Mbatha-Raw, nas restantes partes da capa desdobrável. O Observador explica-lhe o que falhou no mapa interativo aqui em baixo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.