Logo Observador
Portos

Ministra do Mar espera que greve de estivadores em Espanha traga movimento portuário que “fugiu”

A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, espera que a greve dos estivadores espanhóis faça regressar aos portos nacionais movimentos que "fugiram" aquando do conflito laboral no Porto de Lisboa.

Tiago Petinga/LUSA

A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, espera que a greve dos estivadores espanhóis faça regressar aos portos nacionais movimentos que “fugiram” aquando do conflito laboral no Porto de Lisboa.

“Eu acho que não é bonito aproveitarmos o mal dos outros”, referiu a governante em entrevista à agência Lusa, recordando, porém, que os portos espanhóis “aproveitaram” o conflito laboral em Lisboa, que durou mais de quatro anos.

“De facto, houve um crescimento de tráfego nos portos espanhóis à custa do tráfego ter sido desviado do Porto de Lisboa. Não é os portos portugueses aproveitar com a greve em Espanha, mas é voltarem aos portos nacionais os tráfegos que antes utilizavam estes portos, e que quando foi do conflito laboral em Portugal fugiram para os portos espanhóis”, disse.

A ministra desejou que “tudo volte à normalidade em Espanha e nos portos espanhóis”, mas não deixou de esperar que, “enquanto dure este processo, os tráfegos que eram dos portos portugueses regressem”.

Segundo informações de quarta-feira, os sindicatos de estivadores suspenderam três dias de paralisação, previstos para 10, 13 e 15 de março, depois de o Governo espanhol ter adiado o debate por uma semana e a votação no congresso do decreto lei que reforma o setor.

Os sindicatos mantêm a convocatória para 17, 20, 22 e 24 de março.

Ana Paula Vitorino informou ainda que, após a resolução do conflito laboral em finais de maio de 2016, “em praticamente todas as companhias houve regresso de algumas linhas”.

“Também em praticamente todas as companhias há linhas que não voltaram e que esperamos que regressem rapidamente”, afirmou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Homossexualidade

Hereges e beatas

Luis Carvalho Rodrigues

Eu percebo que gente como a deputada Isabel Moreira não faça a mínima ideia do que é uma “verdade científica” sobre a homossexualidade. Mas já custa ver a professora Ana Matos Pires repetir a tolice.

Sociedade

Esquerda e instrumentalização da homossexualidade

João Marques de Almeida

Os liberais devem defender os direitos dos homossexuais e lutar, contra os ataques das esquerdas radicais, por uma sociedade assente na família tradicional. A maioria dos portugueses terá esta posição