Logo Observador
Saúde

Governo admite dívida de sete milhões a bombeiros por transporte de doentes

676

Governo avançou com pagamento de 3,3 milhões de euros a 23 de dezembro, mas admite que, mesmo assim, fechou 2016 com dívidas a corporações de bombeiros por transporte de doentes superiores a 7 milhões

MIGUEL A. LOPES/LUSA

O Governo admite que fechou o ano de 2016 com uma dívida a corporações de bombeiros de 7,12 milhões de euros relativa a “transporte de doentes.” A informação é do ministério da Saúde que — em resposta a uma pergunta de deputados do PSD que agora chegou ao Parlamento — adianta que a 23 de dezembro de 2016 (um dia depois dos sociais-democratas enviarem a pergunta) foi ordenado, em despacho, o pagamento de 3.329.713 euros a 23 entidades. Ainda assim, a 31 de dezembro a dívida ainda era superior a sete milhões de euros.

Na mesma resposta aos deputados, o ministério revelava que o valor dos “arrears” (pagamentos em atraso”) era, no último dia de 2016, 271.444 euros. O pagamento dos 3,3 milhões de euros decidido a 23 de dezembro contribuiu, segundo o ministério, para uma “redução dos Arrears em 75,1%.

Na pergunta enviada ao Governo a 22 de dezembro, os deputados do PSD denunciavam “o agravar das dificuldades financeiras em múltiplas associações de bombeiros provocadas pelo atraso nos pagamentos por parte do Ministério da Saúde e do Ministério da Administração Interna.” Os deputados diziam ainda que, de acordo com as corporações que visitaram, a situação das instituições tinha-se “agravado principalmente por duas razões: os atrasos no pagamento dos serviços de transporte de doentes e sobretudo porque as despesas dos incêndios do verão de 2016.”

O PSD — na pergunta assinada pelos deputados Duarte Marques, Nuno Serra, Maurício Marques, Carlos Abreu Amorim, Miguel Santos, Carlos Peixoto e Luís Pedro Pimentel — denunciava ainda que existiam “corporações com ordenados em atraso” e que “o atraso nos pagamentos do transporte de doentes” se tinha agravado “provocando ainda maior instabilidade na já de si frágil situação destas associações humanitárias”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt