Cabo Verde

Mulheres chefiam maioria das famílias monoparentais em Cabo Verde

A maioria das familiares monoparentais em Cabo Verde são chefiadas por mulheres. Mas quando os agregados são conjugais a tendência é inversa com a maioria a ser chefiadas por homens.

Ana Freitas/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

As mulheres representam cerca de um terço dos agregados familiares monoparentais em Cabo Verde, indicou esta segunda-feira o Instituto Nacional de Estatísticas (INE) cabo-verdiano.

Segundo as estatísticas dos agregados familiares apresentados por Alícia Mota, do INE, no âmbito de uma conferência para assinalar o dia mundial da família, 30,2% das famílias monoparentais no país são chefiadas por mulheres, contra 6,5% por homens. Mas quando os agregados são conjugais, a responsável pelas estatísticas de género do INE disse que a maior parte (54%) são chefiados por homens, contra 46% das mulheres, todos com uma idade média de 45 anos.

Segundo o estudo, realizado no último trimestre de 2016 e enquadrado no Inquérito Multiobjetivo Contínuo (IMC) do INE, Cabo Verde conta com 147.379 agregados familiares, para uma população geral de 530 mil habitantes. Do total dos agregados familiares cabo-verdianos, quase três quartos (70,6%) vivem no meio urbano e 29,4% vivem no meio urbano.

Em relação ao estado civil, o inquérito constatou que um terço dos agregados familiares cabo-verdianos (33,1%) vive em união de facto, 23,4% são divorciados e 19,1% são casados. Na educação, a maior parte dos agregados familiares em Cabo Verde tem o ensino básico (45,3%) e o ensino secundário (26,8%), contra 10,4% com curso superior e 13,1% que nunca frequentou o ensino no país. O estudo concluiu que o número médio de estudo dos agregados familiares cabo-verdianos é de sete anos e que dimensão média é de 3,6 pessoas. Quanto à situação perante a atividade económica, a maioria dos representantes dos agregados familiares (68,5%) são ocupados, contra 26,5% inativos e 5% no desemprego.

Em declarações aos jornalistas, a ministra da Família e Inclusão Social de Cabo Verde, Maritza Rosabal, indicou que um programa de rendimento e inclusão social entra em funcionamento em agosto, após realização do cadastro social único, que vai determinar as famílias contempladas. Segundo a governante, o programa irá contemplar questões como a integração, cuidados a crianças e idosos e apoio integrado às famílias.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

O discurso de May causa dúvidas

João Marques de Almeida

Continua por clarificar a questão das garantias jurídicas dos cidadãos europeus que trabalham no Reino Unido. Estarão protegidos pelo Tribunal Europeu de Justiça? May nada nos disse sobre isso.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site