Fogo de Pedrógão Grande

António Costa acredita que “já está tudo esclarecido” sobre vítimas mortais em fogos na região centro

1.944

António Costa diz que "já está tudo esclarecido" relativamente à contabilização das vítimas mortais do incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande, Leiria, em junho passado.

FERNANDO VELUDO/LUSA

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou este sábado em Coimbra que acredita que “já está tudo esclarecido” relativamente à contabilização das vítimas mortais do incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande, Leiria, em junho passado.

“Creio que isso já está tudo esclarecido pela Autoridade Nacional de Proteção Civil e pelo Ministério da Justiça”, disse o primeiro-ministro, questionado pelos jornalistas sobre uma notícia do Expresso que refere que a lista de 64 mortos do incêndio de Pedrógão Grande exclui vítimas indiretas e que houve pelo menos 65 mortos.

O líder do executivo escusou-se a prestar mais declarações aos jornalistas, que confrontaram António Costa com a notícia do semanário, quando o primeiro-ministro chegava a um evento organizado pela Federação de Coimbra do PS.

Segundo o jornal, a lista de 64 mortos do incêndio de Pedrógão Grande exclui vítimas indiretas. De acordo com o semanário, os critérios para elaborar a lista oficial das vítimas mortais do incêndio “excluem mortes indiretas”, designadamente a de uma mulher que foi atropelada quando fugiu das chamas.

O semanário refere que pediu a lista oficial de mortos ao Ministério da Justiça, tendo recebido a indicação de que a identificação das vítimas mortais era “informação emergente da atividade do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses e da Polícia Judiciária, integrada no inquérito-crime do Departamento de Investigação e Ação Penal da Comarca de Leiria, que se encontra em segredo de justiça”.

Em reação à notícia, a Autoridade Nacional de Proteção Civil reiterou hoje que o incêndio do mês passado em Pedrógão Grande fez 64 vítimas mortais, em “consequência direta” do fogo, e que outros eventuais casos não se integram nos critérios “definidos”.

Os critérios que foram identificados para apurar as vítimas do incêndio são “mortes por inalação e queimaduras”, resultantes do fogo, adiantou à agência Lusa a adjunta nacional de operações Patrícia Gaspar.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site