Algarve

Pego do Inferno continua a atrair visitantes a Tavira, mesmo danificado por fogo

192

A cascata continua a atrair diariamente centenas de turistas durante o verão, apesar de ser um espaço oficialmente encerrado ao público desde 2012, quando foi destruído por um incêndio.

LUÍS FORRA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Pego do Inferno, cascata situada próximo de Tavira, continua a atrair diariamente centenas de turistas durante o verão, apesar de ser um espaço oficialmente encerrado ao público desde 2012, quando foi destruído por um incêndio.

Mesmo com difícil acesso, a beleza natural do lago onde cai a água da cascata permite aos visitantes do Algarve refrescar-se e desfrutar de um local distinto da praia, mas alguns queixaram-se à agência Lusa das dificuldades para lá chegar, da informação errónea existente na Internet e que reporta ao período pré-incêndio ou do lixo que há na zona.

O presidente da Câmara de Tavira, Jorge Botelho, disse à Lusa que o Pego do Inferno “está encerrado a visitas e continuam a ir lá pessoas sem condições de acesso, que partem as estruturas todas ou deixam lixo em todo o lado”, e explicou que a autarquia ainda não conseguiu recuperar o espaço, mas está a estudar a forma de “renaturalizar” a zona.

“Há uns anos atrás foi feita uma estrutura de madeira, que levava as pessoas da parte de cima até à parte de baixo, uma estrutura que queimou nos incêndios de 2012 e que não foi possível recuperar por vários motivos e por dificuldades económicas da câmara”, justificou o autarca, anunciando para breve uma “limpeza de toda a ponte, que está queimada, de toda a madeira, que vai ser retirada” e que compunha uma escadaria.

Jorge Botelho defendeu que o local “tem que ter um acesso que respeite a sua própria natureza, que o esconda e que faça com que a procura do Pego do Inferno seja ela própria uma aventura”, como acontecia nos seus tempos de criança, quando acedia por dentro da ribeira e “vinha por baixo, não por cima”.

Para isso, a autarquia estuda a possibilidade de adquirir o terreno e fazer um projeto “ecologicamente sustentável”, que evite a “artificialização” que havia com a estrutura existente antes do incêndio, adiantou o autarca.

“É a primeira vez que cá estou, o acesso foi um bocado complicado, ainda andei às voltas, pelos vistos fui mal encaminhado, mas depois consegui dar com isto. Tabuletas e indicações não tem nenhumas, por acaso pus no GPS e consegui vir cá dar”, afirmou Pedro Marques à Lusa, frisando que o percurso a pé também “não é nada fácil” e “foi muito complicado” chegar.

Este veraneante disse que estava a “gostar muito” da experiência, mas queixou-se do lixo que existe no local: “devido a estarem aqui muitas pessoas, e as pessoas não têm muito cuidado com o lixo, começo a ver aí muitos resíduos e isso não me agrada muito, mas de resto o local é ótimo, é excelente para passar aqui um bom dia”, afirmou.

Anabela Dinis, de férias em Quarteira, concelho de Loulé, tirou o dia para acompanhar o marido, que gosta de cascatas e costuma visitá-las no Gerês, mas quando chegou ao Pego do Inferno foi “uma desilusão”.

“Segundo consta, houve aqui um fogo, em 2012, e acho que deviam ter retirado as fotografias que estavam lá [na Internet], porque não tem nada a ver com o que está agora, o que é normal se houve um fogo e queimou tudo. Diz lá que há um café, um bar, e não tem nada. Estou arrependida de ter vindo, acho um bocado suja, de difícil acesso e não gostei”, criticou.

Também proveniente de Quarteira, Orlando Ferreira, que mora em Lisboa e passa as férias no Algarve, manifestou opinião contrária, considerando o Pego do Inferno “uma coisa fora do normal” e “engraçado, pitoresco”, sublinhando que valeu a pena deixar a praia e acompanhar o neto na visita.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Orçamento do Estado

Tributação com sal q.b.

Susana Claro

Quando se atingem níveis de tributação em que os impostos indiretos são responsáveis por metade do preço de venda dos produtos, há que indagar se não estará na altura de decidir que Estado queremos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site