Incêndios

Relatório da comissão de análise aos fogos na região Centro adiada mais um mês

202

O prazo de entrega do relatório de análise aos incêndios na região Centro foi adiado por mais 30 dias. O adiamento foi autorizado pelo Presidente da República .

MIGUEL A.LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O prazo de entrega do relatório da Comissão Técnica Independente de análise aos incêndios na região Centro, previsto para 11 de setembro, foi prorrogado por mais 30 dias, disse à agência Lusa o presidente da comissão, João Guerreiro, esta quinta-feira.

A prorrogação já foi autorizada pelo presidente da Assembleia da República“, indicou o presidente da Comissão Técnica Independente, referindo que a lei prevê um prazo de 60 dias, mas que pode ser alargado por mais 30 dias, pelo que o prazo máximo é de 90 dias.

Questionado sobre o que motivou a prorrogação do prazo de entrega do relatório, João Guerreiro disse que “é uma missão complexa e que tem muito detalhe”.

A própria Assembleia da República admitiu que em 60 dias não se pudesse fazer [a análise aos incêndios na região Centro] e é verdade”, declarou o presidente da Comissão Técnica Independente.

Sem comentar o desenvolvimento dos trabalhos, o investigador João Guerreiro garantiu que “o relatório será entregue dentro do prazo previsto”, até 11 de outubro.

A criação de uma comissão técnica para apurar os factos relativos ao incêndio que deflagrou em 17 de junho, em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, do qual resultaram 64 mortos, foi proposta pelo PSD e aprovada pelo parlamento no dia 30 de junho. A comissão funcionará por um período máximo de três meses.

A 6 de julho, o Presidente da República promulgou o diploma do parlamento que cria a Comissão Técnica Independente, tendo referido numa nota colocada na página da Presidência que se trata de “uma experiência sem precedente jurídico ou político” na “vivência constitucional” em Portugal.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

Modernices

Luis Carvalho Rodrigues

O problema não é a comida e sim que nos queiram obrigar a comê-la. Obrigar-nos da mesma maneira e com o mesmo argumento com que se obrigam as crianças: “é para teu bem”. 

Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Igreja Católica

O deputado e o Cardeal

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
119

Em Portugal, não é precisa nenhuma coragem para se ‘assumir’. Mas é necessário muito valor para alguém se afirmar católico, sobretudo se for fiel ao magistério e à tradição da Igreja.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site