Altice

Presidente executivo da Altice, a dona da PT/Meo, demitiu-se

119

Michel Combes deixa de ser presidente executivo da Altice, a dona da PT/Meo. Demissão é anunciada dois dias depois de Combes ter estado na Web Summit. Drahi vai definir agenda futura do grupo.

AFP/Getty Images

Michel Combes abandonou o cargo de presidente executivo que ocupava na Altice, anunciou a empresa esta quinta-feira, e será substituído por Dexter Goei, que lidera a operação do grupo francês nos Estados Unidos.

A reorganização na gestão passa ainda pelo regresso de Patrick Drahi, o fundador, que vai assumir o cargo de presidente do conselho de administração com a missão de definir a agenda estratégica, operacional, comercial e tecnológica do grupo, bem como acompanhar a sua execução. Todos os gestores da Altice vão reportar a Drahi. Armando Pereira, acionista de referência da Altice, vai assumir o cargo de diretor de operações de telecomunicações.

A demissão do presidente executivo acontece dois dias depois de Michel Combes ter estado em Lisboa na Web Summit, em nome da Altice, a empresa que controla a MEO/PT e que fez uma oferta para comprar a Media Capital. O gestor defendeu o negócio, atacado pelos concorrentes e que ainda aguarda a autorização da Autoridade da Concorrência, e assegurou que o grupo iria manter a independência editorial da TVI.

A saída de Combes surge uma semana depois da Altice ter anunciado uma revisão em baixa da previsão de resultados que colocou as ações da empresa sob pressão. O alerta alimentou a dúvida nos analistas sobre a capacidade do grupo gerar retorno a tempo de pagar a elevada dívida. A demissão do presidente executivo, um rumor que já circulava no mercado, e a reorganização do modelo de gestão da Altice, são uma resposta a essas preocupações.

O grupo controlado por Patrick Drahi acumulou um endividamento de quase 50 mil milhões de euros depois de avançar com aquisições de grande dimensão nos Estados Unidos, França e Portugal. A Altice comprou a PT Portugal em 2015 por 7,4 mil milhões de euros. E este ano anunciou um acordo para adquirir a Media Capital por 440 milhões de euros.

A reorganização do grupo francês passa ainda por colocar Alain Weill na liderança do grupo SFR, a operadora de telecomunicações em França. Weill era até agora presidente dos negócios de media do grupo para o mercado francês e falou esta segunda-feira com um grupo de jornalistas portugueses a defender a estratégia de convergência que tem levado a operadora de telecomunicações a comprar empresas de comunicação social.

Dentro do mundo Altice. Podem as telecomunicações salvar os media?

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site