Brasil

Ministro brasileiro Gilberto Kassab acusado do crime de corrupção através da Odebrecht

Gilberto Kassab, ministro brasileiro, foi acusado do crime de corrupção. Kassab terá recebido 21 milhões de reais ilícitos da Odebrecht.

Sebastiao Moreira/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações e Comunicações do Brasil, Gilberto Kassab, foi acusado esta quarta-feira pelo Ministério Público Federal de São Paulo (MPF-SP) do crime de corrupção por alegadamente ter recebido dinheiro ilícito da Odebrecht.

Na acusação, o Ministério Público destacou que, num acordo judicial ainda em negociação com a Odebrecht, foi relatado pela empresa pagamentos no valor total de 21 milhões de reais (5,3 milhões de euros) ao ministro, quando este ocupava o cargo de presidente da Câmara de São Paulo.

“A empresa, entre 2008 e 2012, repassou a Kassab mais de 21 milhões, a valores da época, como caixa dois [dinheiro usado em campanhas políticas não declarado à Justiça eleitoral]”, disse o MPF-SP, num comunicado oficial.

Nesta ação, os promotores pediram também que a Justiça congele cerca de 85 milhões de reais (21,8 milhões de euros) do património do político, o que equivale à quantia que este terá recebeu da empresa e uma multa de três vezes esse valor.

O ministro brasileiro negou as acusações e manifestou, em comunicado, “receber com estranheza” a acusação em véspera de férias judiciais e que “aguarda com serenidade os argumentos utilizados pelo Ministério Público para demonstrar a legalidade de todos os atos da sua gestão, como tem acontecido em outras situações”.

Além de Gilberto Kassab também foram acusados da prática do crime de “improbidade administrativa” (corrupção) os ex-secretários da cidade de São Paulo Orlando de Almeida Filho e Elton Santa Fé e o ex-vereador Francisco Chagas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Turquia

Uma bofetada Otomana

Diana Soller

A Turquia está isolada. Quem semeia ventos colhe tempestades. E quem sofre é a população. Afrin tornou-se uma região de refúgio para muitos sírios que fogem de focos mais intensos da guerra civil.

Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site