Educação

Ministro diz que já foram pagos 99,93% do valor devido às escolas profissionais

O ministro da Educação garantiu no parlamento que "estão pagos 99,93% do valor devido" às escolas profissionais e explicou que há "0,07% que não foram pagos porque não podem ser pagos".

INÁCIO ROSA/LUSA

O ministro da Educação garantiu esta quarta-feira no parlamento que já foi pago 99,93% do valor devido às escolas profissionais e anunciou o pagamento, no início de 2018, de mais 50 milhões relativos a reembolsos e adiantamentos.

Os deputados do PSD chamaram Tiago Brandão Rodrigues à Comissão Parlamentar de Educação para debater o problema das escolas profissionais, que voltaram a alertar para os atrasos nos pagamentos, que têm obrigado estes estabelecimentos de ensino a recorrer a empréstimos bancários para pagar ordenados, fornecedores e até apoios sociais devidos a alunos.

“O valor a pagar eram 290 milhões e estão pagos 99,93% do valor devido. Falta pagar a quatro escolas”, garantiu Tiago Brandão Rodrigues, explicando que há “0,07% que não foram pagos porque não podem ser pagos”.

Segundo o ministro, há quatro escolas com valores em atraso porque “duas estão em processo de insolvência e as outras duas pediram para serem retificados os valores”.

Além da regularização destas verbas, o ministro anunciou ainda que “em 2018 serão pagos nos dois primeiros meses do ano 50 milhões de euros”.

Em janeiro, o Ministério da Educação tem previsto o pagamento de 25,5 milhões: dez milhões relativos a pedidos de reembolso dos cursos em funcionamento em 2017 e 15,5 milhões de adiantamento dos cursos em funcionamento em 2017 e referente ao ano letivo de 2018.

Em fevereiro, o Ministério prevê pagar 26,4 milhões de adiantamentos referentes aos anos de 2017 e 2018.

Outra das novidades anunciadas por Tiago Brandão Rodrigues prende-se com a mudança nos tempos dos pagamentos, “que passam a ser feitos em três momentos” correspondentes aos três períodos letivos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Descentralização

A doença do centralismo

Mário Amorim Lopes

Ninguém no seu perfeito juízo, e que não tenha vivido na União Soviética, acreditaria que milhões de pessoas submetiam currículos para um qualquer ministério que depois distribuía as pessoas pelo país

Ensino Superior

O que esperar de um licenciado?

Diana Dias
323

Os empregadores são claros a sublinhar a importância da consciência de si e do outro de cada profissional e a valorizar capacidades de trabalho que vão além dos domínios científicos da licenciatura.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site