Presidente Marcelo

Marcelo fala de um ano contraditório e diz que o Estado não pode falhar

1.085

Na mensagem de Ano Novo, feita em direto e a partir de sua casa, o Presidente da República pediu "reinvenção" e lembrou que se o ano tivesse terminado a 16 de junho teria sido "singular".

José Sena Goulão/LUSA

Na mensagem de Ano Novo, o Presidente da República disse que o Estado não pode falhar nem isentar-se de responsabilidades e que é preciso “reinvenção”.

Marcelo Rebelo de Sousa falou de um ano “estranho e contraditório”, afirmando que se 2017 tivesse terminado a 16 de junho teria sido “singular”, numa referência inevitável à tragédia dos incêndios.

É necessária, disse o Presidente, a “reinvenção da confiança dos portugueses na sua segurança, que é mais do que estabilidade governativa, finanças sãs, crescente emprego, rendimentos. É ter a certeza de que, nos momentos críticos, as missões essenciais do Estado não falham nem se isentam de responsabilidades.”

“Reinvenção” foi mesmo uma das palavras essenciais do discurso, reinvenção “na confiança” e “pela redescoberta”, reinvenção “com verdade, humildade, imaginação e consistência”.

Marcelo referiu-se também, falando ainda de 2017, à estabilização das finanças públicas, da banca e do emprego, lembrando que tal resultou numa “rápida e convincente mudança”, iniciada no “ciclo político anterior”, mas que teve confirmação “acentuada” com o trabalho do atual governo.

As conquistas e sucessos noutros campos fizeram parte da mensagem do Presidente, que mencionou “o triunfo europeu da nossa música, os excecionais galardões no turismo, o sucesso reiterado no digital, os êxitos nas artes, na ciência, no desporto, colocando Portugal como um destino cimeiro”.

Do lado negativo de 2017, Marcelo Rebelo de Sousa não falou só dos incêndios, mas também da “perplexidade em Tancos”, do “pesar no Funchal” e do “espectro da seca”. “Tudo pondo à prova o melhor de nós – a resistência, o afeto, a iniciativa e a fraternidade militante, que levou mais longe ainda a nossa tradicional solidariedade”, acrescentou.

Partindo daqui, o Presidente pediu “reinvenção” e disse que é fundamental que as tragédias não sejam esquecidas: “Temos de converter as tragédias que vivemos em razão mobilizadora de mudança, para que não subsistam como recordação de irrecuperável fracasso. Temos de afirmar neste exigente combate coletivo a mesma vontade de vencer que nos fez recusar a resignação de uma economia e de uma sociedade condenadas ao atraso e à estagnação”.

[Leia aqui na íntegra o discurso do Presidente da República:]

“Portugal é onde se encontre um português. Nas nossas fronteiras físicas ou, por todo o mundo, nas nossas fronteiras espirituais. Aí vivendo ou servindo em missão nacional.

A todos saúdo e agradeço os Portugais novos que criam dia após dia.

Estranho e contraditório ano esse, que ontem terminou, e que exigiu tudo de todos nós.

Estranho e contraditório ano no mundo, com tão veementes proclamações de paz e abertura económica, e tão preocupantes ameaças de tensão e protecionismo, pondo à prova a paciência e a sensatez de muitos, e, em particular, do Secretário-Geral António Guterres.

Estranho e contraditório ano na Europa, com tão claro crescimento e desejo de recuperação do tempo perdido e tão lenta capacidade de resposta e de reencontro com os europeus.

Estranho e contraditório ano, também em Portugal.

Ano povoado de reconfortantes alegrias mas também de profundas tristezas.

Começou ele com a partida de um dos maiores da nossa Democracia, Mário Soares, reunindo, nesse momento respeito, tantos de tantas famílias políticas e sociais.

Ao invés, em Maio, testemunhou como vibrámos, crentes e não crentes, com uma chegada histórica – a do Papa Francisco, o apóstolo dos deserdados desta era.

Entretanto, íamos vivendo, finanças públicas a estabilizar, banca a consolidar, economia e emprego a crescer, juros e depois dívida pública a reduzir, Europa a declarar o fim do défice excessivo e a confiar o nosso ministro das Finanças a liderança do Eurogrupo, papel de relevo no grupo dos países da moeda única, mercados a atestarem os nossos merecimentos. É certo que colocando fasquias mais altas no combate à pobreza, às desigualdades, ao acesso e funcionamento dos Sistemas Sociais. Mas permitindo a Portugal apresentar como exemplo a determinação dos portugueses.

Ninguém imaginaria, há menos de dois anos, poder partilhar tão rápida e convincente mudança. Sem dúvida iniciada no ciclo político anterior, mas confirmada e acentuada neste, que tão grandes apreensões e desconfianças havia suscitado, cá dentro e lá fora.

E nem faltariam ao crescendo de alegrias da boa parte do ano que findou, o triunfo europeu da nossa música, os excecionais galardões no turismo, o sucesso reiterado no digital, os êxitos nas artes, na ciência, no desporto, colocando Portugal como um destino cimeiro.

Se o ano tivesse terminado em 16 de Junho, ou tivesse sido por mais seis meses exatamente como até então, poderíamos falar de uma experiência singular, constituída quase apenas por vitórias.

Assim não foi, porém. Um outro ano, bem diverso, se somou ao primeiro, a partir de 17 de Junho, dominou o Verão e adensou-se em 15 e 16 de Outubro, marcado pela perplexidade em Tancos, o pesar no Funchal, o espectro da seca e, sobretudo, as tragédias dos incêndios, esse pesadelo para todos nós, tão brutalmente inesperadas e tão devastadoras em perdas humanas e comunitárias que acabariam por largamente pesar no balanço de 2017.

Tudo pondo à prova o melhor de nós – a resistência, o afeto, a iniciativa e a fraternidade militante, que levou mais longe ainda a nossa tradicional solidariedade.

Hoje, dia 1 de Janeiro, é do futuro, porém, que importa falar.

O passado – bem recente – serve para apelar a que, naquilo que falhou em 2017, se demonstre o mesmo empenho revelado naquilo que nele conheceu êxito. Exigindo a coragem de reinventarmos o futuro.

O ano que hoje começa tem de ser, portanto, o ano dessa reinvenção.

Reinvenção que é mais do que mera reconstrução material e espiritual, aliás, logo iniciada pelas mãos de todos – vítimas, Governo, autarquias locais, instituições sociais e privadas e anónimos portugueses.

Reinvenção do que é possível e imperativo refazer em pessoas e comunidades.

Reinvenção pela redescoberta desse, ou talvez mesmo desses vários Portugais, esquecidos, porque distantes, dos que, habitualmente, decidem, pelo voto, os destinos de todos.

Reinvenção da confiança dos portugueses na sua segurança, que é mais do que estabilidade governativa, finanças sãs, emprego crescente, rendimentos. É ter a certeza de que, nos momentos críticos, as missões essenciais do Estado não falham nem se isentam de responsabilidades.

Reinvenção com verdade, humildade, imaginação e consistência.

A mensagem que ouvi, sem exceção, meses a fio, e, novamente, na época de Natal, época de vivência familiar, feita este ano de dor pela saudade, e, por igual, de ilimitada esperança, foi uma só:

Temos de converter as tragédias que vivemos em razão mobilizadora de mudança, para que não subsistam como recordação de irrecuperável fracasso.

Temos de afirmar neste exigente combate coletivo a mesma vontade de vencer que nos fez recusar a resignação de uma economia e de uma sociedade condenadas ao atraso e à estagnação.

​Temos de superar o que de menor nos divide para afirmar o que de maior nos une.

Temos de ser como fomos nos instantes cruciais das grandes aventuras, dos grandes riscos, das grandes catástrofes, dos grandes encontros com essa História.

Esta é a palavra de ordem que vem do Povo, deste Povo, do mais sofrido, do mais sacrificado, do mais abnegado.

Vem do que ele pensa, do que ele sente, do que ele faz.

É, por isso, que, mais do que nunca, acredito nos portugueses, que o mesmo é dizer, acredito em Portugal.

Um feliz ano de 2018 para todos nós.”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpereira@observador.pt
Ribeiro e Castro

O apagamento da história e o futuro do CDS

Abel Matos Santos

Agora que o PSD escolheu Rui Rio, defensor da eutanásia, o CDS só poderá afirmar-se e ganhar espaço se deixar o pragmatismo envergonhado que o separa da afirmação plena da razão para o qual foi criado

Rui Rio

O líder da oposição

Maria João Avillez
102

Se o PSD fizer escolhas mais adequadas à nossa realidade e às suas circunstâncias em vez de alinhar na semi-ficção do país das maravilhas onde garantem que vivemos já estará a ser diferente. E melhor.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site