OCDE

Diretor da OCDE avisa. Portugal terá de alinhar sistema de exames com flexibilização curricular

1.041

O diretor para a Educação da OCDE afirmou que há uma "tensão" nas salas de aula entre o perfil dos alunos e os exames nacionais, razão pela qual Portugal tem de alinhar com o novo perfil do aluno.

EMILIO NARANJO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Portugal “vai ter que alinhar” o seu sistema de exames com o novo modelo de flexibilização e perfil do aluno, defendeu esta sexta-feira o diretor para a Educação da OCDE, numa conferência em Lisboa dedicada à autonomia e flexibilização curricular.

Andreas Schleicher disse, a propósito da experiência-piloto da flexibilização curricular que decorre este ano em centenas de escolas que se voluntariaram para o projeto, que há uma “tensão” nas salas de aula entre o novo perfil dos alunos e os exames nacionais no final do ano, entre o novo modelo que, segundo Schleicher, é a forma como os professores gostariam de dar as suas aulas, e a responsabilidade de ter alunos capazes de responder às provas que determinam o acesso ao ensino superior.

Nos slides de apresentação que iam passando durante a sua intervenção surge a questão, que o diretor da OCDE colocou como “o dilema: ensinar para o mundo de amanhã ou para o exame nacional?”. Schleicher acabou por defender que devido à tensão existente entre os dois modelos de ensino “um dia, Portugal vai ter que alinhar o seu sistema de exames” com este novo perfil do aluno.

“O dilema” é, para Andreas Schleicher, um dos maiores problemas e desafios na educação em Portugal, mas o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, à entrada para a sessão da tarde, quando questionado pelos jornalistas sobre se a flexibilização e autonomia podiam vir a impor a revisão do regime de acesso ao ensino superior, o ministro disse que essa era “uma outra questão”.

“Hoje o que estamos aqui a trabalhar é na possibilidade de darmos aos nossos alunos a possibilidade de aprenderem e de aprenderem cada vez melhor”, disse, acrescentando depois que o acesso ao ensino superior “é uma questão importante” à qual o Ministério da Educação dá “resposta cabal” e “ferramentas para que cada vez mais alunos possam ter acesso ao ensino superior”, nomeadamente nos casos do ensino profissional e artístico, para que “ambos possam ser ensinos de corpo inteiro”.

“Acreditamos verdadeiramente que as ferramentas que damos dentro desta flexibilidade, mas também desta liberdade que significa a autonomia, que as escolas encontrarão a melhor forma de dar resposta não só às aprendizagens, mas também ao acesso ao ensino superior”, acrescentou Tiago Brandão Rodrigues.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
caderno de apontamentos

…E pur si muove!

João Marôco
221

Para a OCDE, Portugal é a maior história de sucesso da Europa no PISA. Ainda assim, por cá, nem sempre se valoriza esta evolução que se diz ser inconsistente com os resultados das avaliações externas.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site