Finanças Públicas

Estratégias Orçamentais 2017-21: respostas aos críticos

Autor

Felizmente vivemos numa sociedade aberta e livre em que tudo, e o seu contrário, pode ser dito, tendo-se lido ou não o estudo. Importa pois clarificar o seu objeto e desmistificar algumas ideias.

Em 2014 na Conferência Gulbenkian apresentei um artigo (com L. Teles Morais) sobre estratégia orçamental para 2020, intitulado “Renovar a Esperança”. Nesse mesmo ano analisámos e criticámos (com Ricardo Cabral) a estratégia orçamental do então governo PSD-CDS, em particular do Plano de Estabilidade 2014-2019. Nesta sequência, surgiu agora o estudo “Estratégias Orçamentais 2017-21”, da autoria de R. Cabral, L. T. Morais, Joana Vicente e o autor deste artigo, que teve um alargado debate no espaço público. Sugere-se na nossa análise que é possível ambicionar mais na política orçamental. Muito se escreveu e disse na imprensa escrita e online, desde encómios, passando por críticas e análises, até ligeiras insinuações. Felizmente, vivemos numa sociedade aberta e livre em que tudo, e o seu contrário, pode ser dito, tendo-se lido ou não o estudo. Importa, sobretudo, clarificar o objeto do estudo e desmistificar algumas ideias que têm sido veiculadas.

1. Alternativa ou Variante ao Programa de Estabilidade (VPE)? Apesar de muitos terem lido a proposta como uma “alternativa”, que seria oposta à estratégia do Governo, o que foi apresentado é uma “variante”. Isto porque existe uma semelhança, quer nos objetivos de consolidação orçamental em todo o período, quer nas metas para 2017 e 2018. As diferenças entre o Programa de Estabilidade e a Variante apresentada são essencialmente duas: a atualização dos valores dos consumos intermédios e pessoal para 2017 (que obviamente não poderiam ter sido antecipados em março); e objetivos diferentes para o défice orçamental em 2019-21 que pensamos mais realistas e socialmente viáveis, embora mesmo assim bastante exigentes.

2. Paulo Trigo Pereira contra Mário Centeno? Primeiro, o trabalho foi coletivo e não apenas de um dos autores. Depois, é natural que Mário Centeno, Ministro, tenha apresentado um Programa de Estabilidade que cumpre todas as regras de Bruxelas. A nossa proposta cumpre a regra da redução da dívida, mas não cumpre uma regra (a da melhoria do saldo estrutural) cuja aplicação é técnico-política, e argumentamos que não deve ser cumprida. O melhor apoio que posso dar ao governo em geral e a Mário Centeno em particular é fazer cálculos, de forma totalmente independente do Ministério das Finanças (MF), para que eventualmente possam ser refutados ou confirmados pelo MF. Não concebo a ação política que não se baseie em análises técnicas sujeitas a escrutínio público.

3. A estratégia orçamental proposta é despesista? Dois equívocos. Primeiro, não apresentamos uma proposta, mas sim um cenário base, central, a partir do qual são possíveis escolhas políticas. Mesmo no nosso cenário base, o peso do Estado na economia (medido pelo peso da despesa no PIB) diminui, embora não tanto como o proposto pelo governo. Há vários anos que mantenho um debate com reputados economistas da área do PSD, como Miguel Cadilhe, sobre o que deve ser e o que pode ser o peso do Estado na economia (poderão ver o meu artigo e seu comentário na conferência Gulbenkian de 2014 (1). Aquilo que nos une é que ambos concordamos que deve haver a prazo uma diminuição do peso do Estado e do nível de fiscalidade, mas o que nos divide é que Miguel Cadilhe considera (como o PSD e o CDS) que essa diminuição pode ser rápida e eu considero (como o PS) que terá de ser lenta e associada em grande parte ao crescimento económico.

4. Os autores propõem maiores défices. Errado duplamente. Propomos saldos orçamentais sempre melhores (!), mas a consolidação orçamental não é tão rápida, nem visa o mesmo objetivo a prazo do que o do governo. A despesa pública no nosso cenário base cresce, em termos nominais, 9,2% entre 2017 e 2021. Em termos reais (usando o deflator do PIB) cresce apenas 0,8% por ano entre 2017 e 2021, abaixo, por conseguinte, do crescimento do PIB potencial nesse período. Ou seja nós fazemos contenção relativa da despesa pública. A melhoria dos saldos orçamentais, até certo ponto, é condição necessária, mas não suficiente para resolver o problema da dívida. Dois dos autores (RC e PTP) têm defendido a necessidade de renegociar a dívida, algo que, porém, não está neste estudo. Acompanham assim diferentes propostas de reputados economistas, como De Grauwe, Stiglitz, Pâris e Wyplosz, Eichengreen, Rogoff e Reinhart, que defendem que é necessária uma solução europeia para a dívida. Ou seja, para estes economistas, e para nós, o país não deverá resolver o problema das dívidas excessivas apenas com contenção da despesa, e melhoria dos saldos, como advogam alguns críticos do nosso estudo.

5. A esquerda defende os serviços públicos, a direita quer dar prioridade à baixa da carga fiscal. Esta crítica não é ao estudo em si, que é técnico e não político, mas sim à entrevista que dei à Rádio Renascença, parcialmente reproduzida no Público. O estudo mostra algumas opções de política que consideramos realistas económica, social e politicamente. Obviamente, há alternativas que passariam por reduzir mais o nível de fiscalidade. Nesse caso não haveria verbas, por exemplo, para pagar a fornecedores na saúde, nem para descongelar carreiras na função pública. É aqui que entram (apesar de não serem desenvolvidas no estudo) as opções de política. A esquerda, desde logo o governo PS, inscreveu no seu programa este descongelamento. A opção da direita teria sido outra, a de só repor os cortes salariais em quatro anos. A questão não é se devemos reduzir a carga fiscal — claro que sim, devemos — mas a que ritmo, e quais as prioridades imediatas. E aqui naturalmente que as prioridades políticas de esquerda e direita não são, nem devem ser, as mesmas. Mal estaríamos se fossem idênticas.

6. O problema não é a dívida pública, é a dívida externa. Pedro Braz Teixeira no ECO, falha o alvo nas suas críticas por várias razões. Primeiro, assume que este estudo é sobre o crescimento económico português quando é sobre estratégia orçamental a prazo. Depois, porque habilmente tenta dissociar a dívida pública da dívida externa usando o caso de Itália, onde grande parte da dívida pública é a residentes (interna) logo nesse país são duas realidades distintas. Porém, como o estudo sobre dívida pública e externa, realizado por economistas do PS do BE e independentes, demonstra, em Portugal não é assim. Não só boa parte (37%) da dívida externa é dívida publica, como ao longo dos anos o peso da dívida pública na dívida externa tem aumentado. Assim sendo, torna-se claro que é condição necessária, apesar de não suficiente, para a redução da dívida externa a redução da dívida pública. O que não quer dizer que não devam ser tomadas medidas para evitar o desequilíbrio das contas externas no futuro, nomeadamente, na componente não pública.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Autárquicas 2017

O impacto local das estratégias nacionais

Paulo Trigo Pereira

Existe um efeito nacional no voto local, que se traduz num prémio (positivo ou negativo) em relação à maioria dos candidatos. É esta grelha de análise que permite ler e aprender com os seus resultados

Orçamento do Estado

Tributação com sal q.b.

Susana Claro

Quando se atingem níveis de tributação em que os impostos indiretos são responsáveis por metade do preço de venda dos produtos, há que indagar se não estará na altura de decidir que Estado queremos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site