Rádio Observador

Viana do Castelo

Encerramento da ponte Eiffel em Viana do Castelo faz aumentar ligações fluviais

O tabuleiro da ponte situada em Viana do Castelo encerrou ao trânsito a 1 de junho, para substituição do piso.

A ponte já tinha recebido uma intervenção de reabilitação em 2007

ARMENIO BELO/LUSA

A empresa que faz a travessia do rio Lima, em Viana, registou um aumento de cerca de 30% de passageiros após o fecho da ponte Eiffel a 1 de junho disse, esta segunda-feira, à Lusa o proprietário.

“Até ao dia 1 de junho transportávamos cerca de 50 pessoas por dia. A partir dessa data passámos a transportar perto de 70. São sobretudo moradores da margem esquerda do rio que veem neste serviço a principal alternativa”, explicou à Lusa, Vítor Portela.

O tabuleiro rodoviário da travessia centenária encerrou ao trânsito a 1 de junho, para substituição do piso. A operação da responsabilidade da Refer, que gere aquela estrutura (utilizada no piso superior por peões e viaturas ligeiras e pesadas tabuleiro inferior por comboios), vai decorrer “num prazo máximo de um mês”. Durante este período é “permitida apenas a passagem de peões, velocípedes com ou sem motor, à mão, pelo passeio” acrescentou a Refer, que gere a rede ferroviária nacional.

A empresa responsável pelo serviço fluvial no rio Lima desde 1985 decidiu aumentar o número de “carreiras”, entre a cidade e o Cabedelo e vice-versa, para dar resposta às solicitações dos passageiros. “De 16 de maio até a 1 de junho fazíamos oito carreiras (ida e volta). Desde que a ponte fechou passámos a fazer 11, nos dois sentidos”, explicou.

Já em 2007, quando a ponte fechou durante quase dois anos para obras profundas, a empresa reforçou as ligações para se assumir como alternativas de transporte.

Atualmente as ligações entre as duas margens são asseguradas entre as 08:00 e as 20:00. Anteriormente o horário vigorava a partir das 10:00 e até às 19:00.

Segundo Vítor Portela os moradores na margem esquerda do rio consideram este serviço “uma boa alternativa” para evitar “dar uma volta tão grande”, através da ponte nova. “O nosso passe mensal custa 28 euros. Acaba por compensar para quem tem que fazer esse trajeto várias vezes ao dia”, sustentou o empresário.

Ângela Morais, comerciante em Viana e moradora na Cabedelo há mais de duas décadas já utilizava o transporte fluvial mas “pontualmente”. Desde que a velha Eiffel encerrou passou a atravessar o Lima no ferry da empresa Irmãos Portela. “Tem horários que se adaptam á minha atividade profissional. Compensa financeiramente e além disso é mais sossegado e menos “stressante'”, explicou a empresária de 56 anos. Contactada pela Lusa fonte da Refer adiantou, hoje, que a obra “está a decorrer dentro do previsto”.

Anteriormente a mesma fonte tinha explicado à Lusa não ser possível a manutenção de uma das faixas de rodagem. “Por forma a assegurar que a aplicação do sistema do novo pavimento se processa nas melhores condições – garantindo a não existência de juntas que não as dos próprios módulos e minimizando o volume de poeiras no ar junto das zonas de trabalho – é requisito essencial a interdição do tabuleiro da ponte ao tráfego rodoviário durante todo o prazo de execução da reparação”. Esta interdição, adiantou, “é também necessária para que esteja garantia e salvaguardada a segurança das pessoas e bens”.

Em 2007, a ponte recebeu uma grande intervenção de reabilitação, durante quase dois anos que custou 15 milhões de euros. Desde então que os problemas no piso rodoviário persistem.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)